0

Após STJ derrubar patente de Soliris, fabricante diz que não foi concedida licença compulsória

20 abr 2018
17h18
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A Alexion, empresa farmacêutica que produz o medicamento Soliris, que teve sua patente quebrada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) na quinta-feira, disse nesta sexta-feira que nenhuma licença compulsória do medicamento foi solicitada ou concedida no Brasil.

A farmacêutica afirmou também que continua tendo pedidos de patente pendentes no Brasil, o que poderia dar proteção adicional ao medicamento Soliris.

Ainda segundo comunicado da Alexion, o Brasil representa um percentual baixo, de um dígito, das vendas mundiais da empresa. A Alexion informou que está avaliando a decisão antes de explorar as opções de resposta.

O remédio, que não é vendido em farmácias atualmente e só está disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS), é usado para tratar a Hemoglobinúria Paroxística Noturna (HPN), rara doença que afeta o sistema sanguíneo.

Até meados do ano passado, uma única unidade do medicamento custava 21,7 mil reais. Em 2016, o SUS gastou 613 milhões de reais com a compra do medicamento, que foi utilizado para tratar 442 pacientes diagnosticados com Hemoglobinúria Paroxística Noturna (HPN).

Com a decisão do STJ de quinta-feira, o medicamento poderá ser produzido de forma genérica, o que o tornaria mais acessível.

Veja também:

Em 'live' com alvos de ação do STF, Eduardo Bolsonaro cita 'momento de ruptura'
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade