PUBLICIDADE

A pedido da CPI, PF faz busca na sede da Precisa Medicamentos

Empresa está envolvida em escândalo na compra da vacina Covaxin

17 set 2021 13h47
| atualizado às 13h52
ver comentários
Publicidade

A Polícia Federal fez uma operação de busca e apreensão de bens e documentos na sede da empresa Precisa Medicamentos, localizada em Barueri, na Grande São Paulo, e na Luft Healthcare, que fica em Itapevi, também São Paulo, nesta sexta-feira (17). A Luft armazena produtos da Precisa.
    A operação foi realizada a pedido da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 no Senado e autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Os senadores também queriam uma busca e apreensão no Ministério da Saúde, mas o pedido foi negado.
    Segundo a CPI, a Precisa não enviou todos os documentos solicitados nos últimos meses, inclusive, o contrato com a Bharat Biotech, o laboratório indiano que produz a vacina anti-Covid Covaxin. Os indianos tinham a empresa brasileira como intermediadora para a venda, mas após o escândalo revelado pela imprensa e pela CPI, retirou a autorização que tinha dado para a Precisa.
    "A operação, que foi autorizada pelo STF, destina-se à apreensão de informações relativas ao contrato entre a Precisa e a Bharat Biotech, assim como todos os documentos relacionados ao contrato. A CPI tentou de todas as formas obter essas informações e não logrou êxito. Fez-se necessário, para prosseguimento das apurações, a utilização deste instrumento judicial", escreveu o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues, em sua conta no Twitter.
    O escândalo envolvendo a vacina indiana começou após denúncia dos irmãos Luís Miranda, deputado federal, e Luís Ricardo Miranda, servidor de carreira do Ministério da Saúde. Ambos alegaram que houve um pedido de pagamento antecipado de US$ 45 milhões, não previsto em contrato, e que o servidor achou que tinha algo errado.
    Os irmãos Miranda, então, levaram a denúncia ao presidente Jair Bolsonaro, mas a suspensão do contrato de compra de R$ 1,6 bilhão só ocorreu após os depoimentos da CPI. O Ministério Público Federal (MPF) também está investigando o caso.
    Em nota, a Precisa Medicamentos chamou a operação de "inadmissível" e disse que "seus representantes, sempre que intimados, prestaram depoimentos à PF, CGU, além de ter entregue toda documentação ao MPF e TCU". .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade