PUBLICIDADE

Bolsonaro volta a atacar 'Estadão', chama jornalistas de 'jumentos' e nega orçamento secreto

Presidente da República usou redes sociais para atacar jornal após revelação do uso de orçamento secreto para compra de apoio

13 mai 2021 22h47
ver comentários
Publicidade

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro comentou o caso do"orçamento secreto" revelado pelo Estadão em sua tradicional transmissão ao vivo nas redes sociais, na noite desta quinta-feira, 13. Acompanhado do ministro Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional, Bolsonaro negou a existência do orçamento secreto e também ofendeu os jornalistas da empresa, a quem chamou de "idiotas" e "jumentos".

Bolsonaro também lembrou a época em que entregou exemplares do Estadão no Vale do Ribeira, região onde nasceu,no interior de São Paulo. "E agora vem o Estado de S. Paulo, esse jornaleco que quer fazer concorrência com a Folha (de S. Paulo), falar que o orçamento secreto meu? Só um idiota mesmo, os idiotas do Estado de S.Paulo", disse. "Deve ser (os R$ 3 bilhões) para comprar leite condensado. Os jumentos do Estado de S. Paulo não têm outra explicação", disse. Marinho disse que espera uma retratação do jornal, e que ingressará com uma ação judicial contra o Estadão caso não seja feita.

O presidente afirmou que a elaboração do Orçamento é "um trabalho de meses", e que ele mesmo levou mais 15 dias para sancioná-lo, após "uma análise meticulosa, à disposição de todo mundo". O orçamento secreto, contudo, é o de 2020 e não o de 2021, que envolveu longa negociação.

No começo desta semana, reportagem do Estadão mostrou como deputados e senadores destinaram cerca de R$ 3 bilhões do Ministério do Desenvolvimento Regional para convênios com municípios. O dinheiro foi usado para obras, pavimentação de vias e compra de máquinas agrícolas, como tratores, vários comprados a preços acima da tabela de referência do próprio ministério. O governo diz que a tabela "é apenas uma referência para a apresentação de propostas" e que os preços "podem sofrer variações".

Em live nesta quinta-feira, 5, o presidente Jair Bolsonaro chamou jornalistas de 'jumentos'
Em live nesta quinta-feira, 5, o presidente Jair Bolsonaro chamou jornalistas de 'jumentos'
Foto: Facebook / Reprodução / Estadão

Ao contrário das emendas parlamentares tradicionais, a liberação dessas verbas foi decidida de acordo com critérios políticos do Planalto. Também não há transparência sobre qual político indicou o quê, ao contrário do que acontece com as emendas tradicionais. No Orçamento de 2020 há 20,1 bilhões em emendas de relator (RP 9), um novo tipo de modificação no Orçamento criado durante o governo de Bolsonaro.

O presidente vetou uma tentativa dos deputados e senadores de impor a aplicação desses recursos de RP 9. Alegou que o direcionamento contraria o interesse público e favorece o personalismo. Foi justamente isso que ele passou a ignorar quando entregou para um grupo do Congresso a definição do destino das verbas.

O Estadão revelou um conjunto de 101 ofícios nos quais o esquema é exposto

Nos documentos reservados, deputados e senadores pedem ao ministério de Marinho "minha cota", recursos a mim reservados", "fui contemplado" indicando as negociações prévias.

Em resposta pela Lei de Acesso à Informação, senadores reiteraram o caráter sigiloso das negociações sobre o destino do dinheiro. Por escrito, negaram dar publicidade aos ofícios alegando "risco à segurança da sociedade e do Estado", "risco à honra e à imagem do parlamentar podendo gerar ataques à honra do senador, seus familiares e o Senado", "desobrigação de testemunhar sobre informações recebidas ou prestadas em razão do exercício do mandato" e por considerarem os papéis "ultrassecretos".

Além do caráter sigiloso e do desrespeito ao veto do próprio presidente, o Estadão revelou que a divisão do dinheiro não é equânime entre os políticos e desobedece a lei orçamentária ao ignorar critérios técnicos para sua destinação. Sobre esses pontos, o presidente não se posicionou na live.

Bolsonaro já tinha comentado o assunto mais cedo esta semana. Na terça-feira, dia 11, o presidente disse que o caso do "tratoraço",como vem sendo chamado nas redes sociais, é uma "invenção" do jornal."Inventaram que eu tenho um orçamento secreto agora. Tenho um reservatório de leite condensado, 3 milhões de latas. Eles não têm o que falar. Como um orçamento foi aprovado, discutido por meses e agora apareceu R$ 3 bilhões? Só os canalhas do Estado de S. Paulo para escrever isso aí", disse ele a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, a residência oficial do presidente.

No mesmo dia, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) publicou nota repudiando os ataques de Bolsonaro ao jornal. "Atacar o mensageiro tem sido uma manobra recorrente do governo Bolsonaro. A imprensa tem o dever de cobrar o manejo do dinheiro público - sobretudo durante a maior pandemia da história recente", diz a nota da Abraji.

No texto, a Abraji destacou que todo gestor público é "objeto de escrutínio" da sociedade e deve prestar contas de suas atividades à sociedade. "Em nome do interesse público, a imprensa assume o papel de fiscalizar a gestão doEstado", diz o texto, que cita ainda a garantia constitucional de livre expressão da atividade de comunicação e a garantia de acesso à informação.

Estadão
Publicidade
Publicidade