PUBLICIDADE

Alemanha investiga rede extremista na polícia de Frankfurt

17 dez 2018 14h03
| atualizado às 17h12
ver comentários
Publicidade

Estado de Hessen apura rede neonazista formada por policiais, afirma jornal. Grupo é suspeito de fazer ameaças a uma advogada de origem turca que representou vítimas de violência de extrema direita.O Departamento Estadual de Investigações (LKA) de Hessen, no centro da Alemanha, abriu uma investigação sobre uma suposta rede extremista de direita dentro da força policial de Frankfurt, segundo relatou no domingo (16/12) o jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ).

Grupo de pelo menos cinco policiais compartilhava mensagens e imagens neonazistas num grupo de bate-papo
Grupo de pelo menos cinco policiais compartilhava mensagens e imagens neonazistas num grupo de bate-papo
Foto: DW / Deutsche Welle

De acordo com a reportagem, o LKA montou uma força-tarefa investigativa especial depois que um grupo de policiais supostamente enviou uma correspondência com ameaças a uma advogada de origem turca que representou extremistas islâmicos no tribunal.

"Porca turca suja", dizia o início da mensagem enviada por fax para a advogada Seda Basay-Yildiz. "Você não vai destruir a Alemanha. É melhor você ir embora enquanto ainda pode sair viva daqui, sua porca!"

Basay-Yildiz afirmou no sábado ao diário local Frankfurter Neue Presse que essas palavras representam uma mensagem padrão presente nas cartas de ódio recebidas por ela regularmente, e disse estar mais preocupada com o que estava descrito a seguir.

"Em retaliação [...] vamos matar sua filha", dizia o trecho, seguido do nome da menina de 2 anos e de seu endereço particular. Segundo a advogada, esses dados não são de conhecimento público.

A mensagem foi assinada com "NSU 2.0", uma referência ao grupo terrorista neonazista alemão Clandestinidade Nacional-Socialista (NSU, na sigla em alemão), ativo na década de 2000 e responsável pelo assassinato de dez pessoas, nove delas comerciantes de origem turca ou grega e uma policial. A advogada trabalhou no processo judicial contra membros da NSU.

A ameaça foi enviada em agosto, e a investigação resultante dela supostamente descobriu um grupo de pelo menos cinco policiais que vinha compartilhando mensagens e imagens neonazistas num grupo de bate-papo - uma grave ofensa criminal na Alemanha.

Investigadores teriam descoberto o grupo acidentalmente depois de tomar conhecimento de que um computador da polícia foi usado para procurar os dados pessoais de Basay-Yildiz sem um motivo oficial.

Funcionários do LKA disseram ao FAZ que não descartam a possibilidade de que o incidente pode acabar num caso de "dimensões muito maiores". Os quatro policiais homens e uma mulher já foram suspensos dos serviços enquanto aguardam as investigações.

Após tomar conhecimento pela imprensa sobre os novos desenvolvimentos do caso, Basay-Yildiz criticou a polícia. Ela disse ao FAZ que buscou informações sobre o inquérito repetidamente, mas só soube no sábado sobre a suposta rede extremista. "Gostaria que a polícia tivesse me informado antecipadamente", afirmou.

O Departamento Estadual de Investigações responde diretamente ao Ministério do Interior do estado de Hessen e atua como uma agência independente da aplicação da lei.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube

| WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
Publicidade
Publicidade