PUBLICIDADE

Viola Davis revela que um diretor a chamava pelo nome da empregada

"Sejamos honestos. Se eu tivesse as mesmas características e fosse cinco tons mais claro, seria um pouco diferente"

19 mai 2022 - 13h30
(atualizado em 20/5/2022 às 10h49)
Ver comentários
Publicidade
"Essas microagressões acontecem o tempo todo", desabafa a atriz
"Essas microagressões acontecem o tempo todo", desabafa a atriz
Foto: Divulgação/ABC / Pipoca Moderna

Presente no Festival de Cannes para receber uma homenagem, o prêmio Women in Motion, Viola Davis lembrou o preconceito que sofreu ao longo de sua carreira, contando nesta quinta (19/5) que um diretor a chamava pelo nome de sua empregada enquanto filmavam.

"Tinha um diretor que me chamava de Louise. Depois descobri que ele me chamava assim porque Louise era o nome de sua empregada. Eu o conhecia há 10 anos", recordou a atriz durante um painel do evento francês. "Eu tinha uns 30 anos na época, então foi há algum tempo. Mas o que você precisa perceber é que essas microagressões acontecem o tempo todo."

Mesmo com um Oscar no currículo, por "Um Limite entre Nós" (Fences, 2016), a atriz também compartilhou que os papéis que recebe ainda são limitados.

"Se eu quisesse interpretar uma mãe cuja família mora em um bairro de baixa renda e meu filho é membro de uma gangue que morreu em um carro, eu poderia fazer isso", disse. "Mas se eu quisesse interpretar uma mulher a procura de se reinventar, voando para Nice e dormindo com cinco homens, aos 56 anos, teria dificuldades de conseguir o projeto, mesmo sendo Viola Davis."

Ela diz que foi muito rejeitada ao tentar para papéis no passado, preterida por causa de sua raça ou porque o diretor não a achava "bonita o suficiente". A última razão "realmente me dá nos nervos", disse Davis. "Isso parte meu coração e me deixa com raiva."

"Muito disso é baseado na raça. Realmente é", acrescentou Davis sobre ser rejeitada. "Sejamos honestos. Se eu tivesse as mesmas características e fosse cinco tons mais claro, seria um pouco diferente. E se eu tivesse cabelos loiros, olhos azuis e até nariz largo, seria um pouco diferente. Poderíamos falar sobre colorismo, poderíamos falar sobre raça. Isso me irrita e partiu meu coração - em vários projetos, que não vou citar."

Davis está sendo homenageada no Festival de Cannes por sua carreira no cinema e por seu compromisso com os direitos das mulheres e minorias. "Seu talento, trabalho duro, escolha de papéis e a maneira como ela os interpreta lhe renderam os mais altos reconhecimentos da indústria cinematográfica", explica um trecho do comunicado, lembrando que ela "é uma das poucas personalidades de Hollywood que ganhou um Globo de Ouro, um BAFTA, quatro SAG Awards, dois Tony Awards, um Oscar e um Emmy".

Pierre Lescure e Thierry Frambux, presidente e diretor-executivo do Festival de Cannes, respectivamente, devem entregar o prêmio Women in Motion à atriz com François-Henri Pinault, CEO de da Kering, durante um jantar em Cannes, marcado para 22 de maio.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade