PUBLICIDADE

MP vai investigar presidente da Caixa após relatos de assédio sexual

Pedro Duarte Guimarães teria cometido abordagens indevidas com mulheres durante sua gestão; banco público diz não ter conhecimento sobre as denúncias

28 jun 2022 - 21h02
(atualizado às 22h09)
Ver comentários
Foto: IstoÉ

O Ministério Público Federal (MPF) abriu investigação para apurar denúncias de assédio sexual feitas por funcionárias da Caixa Econômica Federal contra o presidente da instituição Pedro Duarte Guimarães. A abertura da investigação, que está em andamento sob sigilo, foi confirmada pelo Estadão.

Cinco mulheres relataram as abordagens inapropriadas do presidente do banco. A revelação das denúncias foi feita pelo site Metrópoles nesta terça-feira, 28.

Segundo um dos relatos, uma funcionária diz que o presidente do banco teria passado a mão em suas nádegas. Em outro caso, o executivo teria convidado outra funcionária para dentro de seu quarto de um hotel, para entregar o que fora pedido, quando pediu a ela para tomar um banho e voltar para e conversar sobre a carreira em seu quarto.

Em outra viagem, Guimarães teria dado a chave do seu quarto do hotel para uma funcionária e dito a frase "vou botar aí na frente".

Procurado pelo Estadão, o Ministério Público Federal afirmou que não fornece informações sobre procedimentos sigilosos. A Caixa não respondeu aos questionamentos do Estadão até a publicação desta reportagem. O texto será atualizado assim que houver um posicionamento.

Em nota ao Metrópoles, a Caixa informou que não tem conhecimento sobre as denúncias de assédio sexual contra Guimarães e que tem protocolos de prevenção contra casos de qualquer tipo de prática indevida por seus funcionários.

"A Caixa não tem conhecimento das denúncias apresentadas pelo veículo. A Caixa esclarece que adota medidas de eliminação de condutas relacionadas a qualquer tipo de assédio. O banco possui um sólido sistema de integridade, ancorado na observância dos diversos protocolos de prevenção, ao Código de Ética e ao de Conduta, que vedam a prática de 'qualquer tipo de assédio, mediante conduta verbal ou física de humilhação, coação ou ameaça', informou, em nota ao site.

Estadão
Publicidade
Publicidade