PUBLICIDADE

Mãe de santo é impedida de ser enterrada em cemitério; corpo fica em gaveta

Segundo lideranças religiosas, a tradição de matriz africana teria sido desrespeitada, pois foram impedidos de realizar ritos fúnebres tradicionais no candomblé

2 ago 2022 - 12h33
(atualizado às 15h35)
Ver comentários
Publicidade
A imagem mostra ma mãe de santo
A imagem mostra ma mãe de santo
Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal / Alma Preta

Lideranças religiosas e povos de axé denunciam um caso de intolerância religiosa ocorrido durante o enterro de uma ialorixá no cemitério do Campo Santo, em Salvador. A situação aconteceu na semana passada e foi registrada na 7ª Delegacia do Rio Vermelho, na capital baiana.

A ialorixá Juracy de Logun Edé, fundadora do Ilê Axé Ijexá Logun Edé Silemín, foi enterrada no dia 25 de julho e conforme a denúncia, o sepultamento foi marcado por uma série de violações, como a negação do pedido para carregar o caixão nas mãos e do local adequado para enterrar o corpo.

Durante o enterro, a administração do cemitério teria impedido os povos de axé de carregar o caixão porque a mãe de santo havia sido internada em um hospital reservado para pacientes com Covid-19.

No entanto, familiares apontam que, apesar da líder religiosa não ter falecido em decorrência da covid-19, eles acataram a recomendação do cemitério. A religiosa Juracy tinha 76 anos e morreu em decorrência de uma parada cardiorrespiratória.

Além disso, o corpo também teve que ser enterrado em uma gaveta, não no chão, conforme tradição das religiões de matriz africana.

Segundo o Ogan Alan Oliveira, o enterro, que estava marcado para às 16h30, só foi terminar às 18h30 e, mesmo com as reclamações, houve demora por parte da administração do cemitério no atendimento dos familiares e povos de santo que estavam presentes.

"Quando a gente chegou para enterrar disseram que era na gaveta só que gente de candomblé não é enterrado em gaveta porque não pode, tem que ser enterrado na terra. E aí deu maior confusão, confusão essa que o enterro estava marcado para as 16h30 o sepultamento e a gente só foi enterrar a partir de 18h30 porque o pessoal responsável não quis respeitar e atender a gente", relata o Ogan, que esteve presente no registro do B.O.

Oliveira, que também é fundador do programa Voz do Axé, fez um vídeo no dia do enterro para denunciar o ocorrido. O portal, voltado para notícias e pautas dos povos de religião de matriz africana, também emitiu uma nota de repúdio sobre o caso.

Um dos irmãos da mãe de santo, que não foi identificado, apontou que a situação se tratou de intolerância religiosa e pediu respeito aos povos de santo.

"Nós viemos aqui para prestar a última homenagem a uma pessoa que se foi e nos deparamos com a rispidez do cemitério. É complicado porque o combinado não aconteceu. Nós achamos que houve intolerância religiosa em cima disso tudo", afirma.

"Estou revoltadíssimo com essa situação porque o respeito não é só para quem está vivo, é para pessoas que partem desse mundo porque é uma alma, um ser humano que está indo embora", pontua o irmão da ialorixá.

O caso também foi encaminhado para o Centro de Referência de Combate ao Racismo e Intolerância religiosa Nelson Mandela, vinculado à Secretaria de Promoção da Igualdade Racial do Estado (Sepromi). Em nota, o órgão respondeu que o caso foi recebido e nos próximos dias o Ministério Público e a Defensoria Pública serão oficiadas para adoção de procedimentos visando medidas cíveis e penais cabíveis ao caso.

"Através da mediação do Centro Nelson Mandela, o caso também está sendo encaminhado para a Coordenação Especializada de Repressão aos Crimes de Intolerância e Discriminação (Coercid) da Seretaria da Segurança Pública (SSP)", informa o órgão.

A Alma Preta Jornalismo pediu um posicionamento à Santa Casa, responsável pela administração do cemitério Campo Santo, mas não obtivemos retorno até o fechamento da matéria.

"Preto fedido": vereador Jhonatas Monteiro volta a receber ameaças e ataques racistas

Alma Preta
Publicidade
Publicidade