- Anuncie
- Assine

   
 
Festa // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


O Halloween da viúva Clicquot
Festão temático do tradicional champanhe teve trem fantasma na entrada, dráculas de grife e sombrias damas de preto em noite que vai ficar na memória

Fabiano Mazzei e Laís Taliberti Fotos Carlos Prates/Ag.IstoÉ

 



A SENSAÇÃO ERA DE QUE a Transilvânia toda tinha desembarcado na Vila Leopoldina, na zona oeste de São Paulo, em plena noite da sexta-feira 22. Nunca se viu tantos vampiros, dráculas e afins em um único endereço! Uma proporção injusta, aliás, comparada à quantidade de viúvas-negras presentes - algo em torno de três dentuços para cada dama soturna. Não importa: o Halloween armado pela Veuve Clicquot - e rebatizado de 'Yelloween' - na capital paulistana tem tudo para entrar na lista das festas memoráveis de 2010.

Primeiro porque a cenografia criada por Carlos Pazetto, para variar, virou protagonista do evento. Logo na entrada, ele fez os 900 convidados darem uma voltinha no trem fantasma que dava acesso ao salão principal. Gritinhos e gargalhadas não faltaram vindos do túnel escuro. Lá dentro, grandes candelabros, velas, gelo seco e um quase nada de luz criavam o clima. Outra sacada de Pazetto: além dos sofás e cadeiras de época que formavam pequenas salas, seis limusines estacionadas ao lado da pista de dança serviam de lounge antirruído, para quem quisesse descansar as pernas e os ouvidos.

Não que a música estivesse ruim, muito pelo contrário. O craque DJ Felipe Venâncio cuidou da trilha sonora e incluiu no divertido set hits de Madonna. Na hora de "Like a Virgin" por exemplo, foi um tal de vampiro virar morcego e sair voando pelo salão que foi preciso ficar atento para não ser atacado. Revoadas à parte, a pista ferveu e revelou casais apaixonados e surpreendentes pés de valsa. Tufi Duek e Natalie Klein estava num chamego só. Alexandre Birman e sua Johanna também não se desgrudavam. Já Dimitri Mussard, herdeiro da Hermès, ao lado da namorada italiana, Maria Sole, pareceu meio deslocado no começo, mas logo relaxou. No quesito alegoria e adereços, o 'trio elétrico' Schnayder Garneiro-Matheus Mazzafera-Carol Francischini foi o campeão, com menções honrosas a Simone Monte, Adriane Galisteu e Alexandre Iodice, todos de arrasar nos seus looks.

O agito rolou para além das 3h da madrugada. Um evento que, como anunciou a dupla Sergio Degese e Davide Marcovitch, diretor da Moët Henessy no Brasil e presidente da Moët Henessy para América Latina, respectivamente, recoloca a "viúva" Clicquot no mapa das grandes festas do País. Os fantasmas, os vampiros e festeiros em geral agradecem.

 

 

1 | 2 | 3 | Próxima >>

   


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS