- Anuncie
- Assine

   
 
Carreira // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


A volta do biquíni chique
Com uma nova marca que leva seu nome, Amir Slama, criador da rosa chá, retorna ao mundo fashion deixando de lado os grandes desfiles e se dedicando a peças e atendimento personalizados

Simone Blanes Fotos Marcelo Navarro/ Ag. IstoÉ

A Amir Slama será inaugurada em 26 de outubro em São Paulo, depois será a vez de Rio, Nova York e Paris. Ao lado, ele conversa com a arquiteta Candice Fagundes

O HOMEM QUE ELEVOU BIQUÍNIS, maiôs e saídas de praia a um patamar fashion, baseado em um lifestyle, acaba de retornar ao mundo da moda. Amir Slama está de volta com uma nova grife, que leva seu nome.
É uma proposta completamente diferente da Rosa Chá, marca que o empresário e estilista criou e comandou por 16 anos e da qual se desligou há pouco mais de um ano. "Não quero repetir o que fiz porque são momentos diferentes. Estou buscando caminhos pelos quais não andei", diz Amir, acrescentando que a nova grife será "bem menor, mas muito mais exclusiva e autoral". "A Amir Slama tem referência na praia, que é meu DNA, mas em um caminho mais esportivo, urbano. Tenho uma preocupação muito maior com a estrutura, a modelagem e a versatilidade das minhas peças. Tanto que elas podem ser usadas até do avesso. Isso vai me aproximar, e muito, das minhas clientes", conta.
Essa proximidade, aliás, é uma das coisas que o estilista mais sentia falta. Tanto que em vez de grandes desfiles - desde já ele é enfático em dizer que não quer fazer -, Amir aposta, por exemplo, em um atendimento personalizado, na loja e ateliê que inaugura em 26 de outubro, em um espaço de 200m², na rua Oscar Freire, em São Paulo. "Com hora marcada, eu vou pessoalmente customizar uma peça ou uma coleção especial. Por exemplo, vou desenvolver o bojo na medida da cliente, em um molde específico, que vou deixar guardado com o nome dela. Também posso criar uma estampa exclusiva. É uma pequena coleção só para a pessoa", diz ele, que explica a ausência das passarelas: "Acho que o desfile tem um formato bastante desgastado. Antes, as pessoas se matavam para conseguir um convite de um desfile, que hoje é só mais um. E você fica em uma competição alucinada para fazer um trabalho super artístico, que seu consumidor até gosta, mas não compra."
A loja terá uma primeira linha com 200 itens, para mulheres e homens, inspirada na geometria do renascentismo italiano, e uma grande arara com biquínis básicos de tanga de amarrar e sutiã cortininha, em 36 cores diferentes. Logo depois da abertura da Amir Slama em São Paulo, começam os preparativos para a inauguração de um espaço no Rio de Janeiro em novembro, um em Nova York no ano que vem, e um na França para o início de 2012. "Em Nova York e na França, as pessoas me conhecem, procuram e me respeitam como estilista. Não tenho como não estar nesses lugares. É uma coisa que eu conquistei depois de muito anos."


PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>
   


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS