- Anuncie
- Assine

   
 
Festa // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Ana Paula Arósio cai na balada
Com os cabelos curtíssimos e na companhia do marido, Henrique Pinheiro, a atriz curtiu a festa que marcou o retorno de Arnaldo Jabor às telonas após 24 anos de jejum

Por Camilla Gabriella / Fotos: Marcelo Fernandes / Ag.IstoÉ



Ana Paula com o marido: “Sou uma mulher caseira, mas quando saio, quero fazer de tudo, até acabar. Antes ia para a balada sozinha, agora somos eu e ele”

NA PRIMEIRA APARIÇÃO em um evento carioca depois de seu casamento secreto, em julho, Ana Paula Arósio foi o principal alvo dos flashes na abertura do Festival do Rio 2010, na noite da quinta-feira 23, quando foi exibido o filme A Suprema Felicidade, de Arnaldo Jabor. Os fotógrafos tentavam registrar todos os ângulos do rosto da atriz, que estreava novo visual, com os cabelos curtíssimos.

Exuberante num longo preto de Reinaldo Lourenço, e acompanhada do marido, o arquiteto Henrique Pinheiro, Ana Paula não conseguiu assistir o filme, que estava com lotação esgotada. O casal preferiu, então, tomar champanhe no restaurante do Cine Odeon enquanto aguardava o momento de ir para a festa que aconteceria no Centro da Ação e Cidadania, após a exibição do longa-metragem. Sorridente, ela falou sobre o look “joãozinho”: “Meu marido gostou. Eu ainda não me acostumei com o cabelo, fiquei a cara da minha mãe”. A atriz participa do festival com o filme Como Esquecer, em que interpreta uma lésbica. “O filme é muito maior que uma causa gay”, defendeu.


O retorno de Jabor
A disputa por um lugar na sessão de abertura do festival era resultado da expectativa criada em torno da volta de Jabor à direção, após um jejum de 24 anos. “Fiquei com medo de apanhar”, brincou ele. “Não é um filme autobiográfico, mas é uma história de revisão da minha vida, com dúvidas, paixão, a vida real. Dependendo do resultado desse, posso fazer outros.” O tradicional tapete vermelho estendido à frente do Cine Odeon ficou pequeno para tantas estrelas do cinema e da tevê, muita gente sentou no chão para assistir a A Suprema Felicidade.

 



1 | 2 | 3 | Próxima >>

   


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS