- Anuncie
- Assine

   
 
Capa // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Débora deslumbrante Bloch
Mãe de dois adolescentes, atriz com 30 anos de carreira, solteira, ela exibe uma silhueta impecável, esculpida na dança e no humor que realça sua beleza: "Não adianta ficar cuidando só do corpo se a cabeça estiver ruim", ensina

Gustavo Autran Fotos e Beleza Alê de Souza

Vestido Dolce&Gabbana para M&GUIA

Ginástica mais alimentação saudável é a receita infalível para qualquer mulher que queira manter a boa forma. Aulas de ioga, pilates e power plate também entram nesse cardápio. Mas o que faz Débora Bloch revelar sua beleza exuberante aos 47 anos vai muito além do que pregam personal trainers e nutricionistas. Humor é a palavra. Sorrir para a vida. "Gosto de rir, de fazer rir e de quem me faz rir. Sou bem-humorada. Mas não o tempo todo, claro. Mas faço esse exercício de manter o bom humor sempre", diz ela, talentosa atriz de comédias que é.
Evidentemente que as aulas de dança - de balé clássico até ritmos afro - foram fundamentais para delinear o seu corpo. "Comecei a fazer balé aos 9 anos e depois cismei que ia ser bailarina. Eu não fazia mais nada, só pensava nisso", lembra ela. Ajuda no retrospecto o fato de se policiar quanto à alimentação também. Frituras e doces são evitados ao máximo. Já uma caipirinha de vez em quando até que vai bem. Fato é que Débora preserva sua saúde física e mental. "Sei que não é gostoso ter rugas ou ter que comer menos para ficar magra. Mas acho que a gente tem que aceitar o tempo e a natureza", diz.

Mas parece que o seu segredo está mesmo na atitude. Discreta, ela não gosta de falar dos seus romances, seja do exmarido, Olivier Anquier, seja dos breves relacionamentos com o produtor musical Plínio Profeta, em fevereiro, e com o artista plástico Bernardo Pinheiro, em maio. Prefere conversar sobre como tem educado os dois filhos adolescentes, Júlia, de 16 anos, e Hugo, de 12, com a chamada liberdade vigiada. A atriz anda feliz também com o trabalho. Sua atuação no seriado Separação!?, da Rede Globo, tem lhe dado alegrias. O programa vem bem de audiência, teve a temporada prorrogada em seis episódios e possui um clima de trabalho que a agrada. "Eu me divirto muito fazendo o programa. O texto é ótimo, os diálogos precisos, e a equipe é muito boa de trabalhar. E o Vladimir (Brichta) é ótimo comediante. Divertido, desencanado e muito relax", comenta ela.

A carreira, aliás, completa três décadas este ano. O início foi no elenco da peça Rasga Coração, quando Débora tinha 17 anos. Mas seu envolvimento com o teatro vem de muito antes. Ainda na infância, ela acompanhava os ensaios e os bastidores das peças encenadas pelo pai, o ator Jonas Bloch. "Meus pais se separaram quando eu tinha 7 anos e nos finais de semana que ficava com meu pai, o programa era assistir aos espetáculos em cartaz. Vi tanto Sonho de Uma Noite de Verão, do Shakespeare, que sabia o texto de cor", recorda. Do período passado nas coxias com a amiga Fernanda Torres, a quem carinhosamente chama de Nanda até hoje, ela se destacou em marcantes atuações no teatro, no cinema e na televisão. Muitas delas renderam salamaleques da crítica e prêmios − como o Shell de melhor atriz em Fica Comigo Esta Noite, em 1990. À seguir, um pouco mais desta atriz, mãe e mulher, de opiniões fortes, vocação para o sorriso e dona de uma beleza impossível de não ser notada.

Aos 47 anos, você se preocupa com os efeitos do tempo?
Não tenho medo da idade, tenho medo de não ter saúde. Então, me preocupo em me cuidar. Sei que não é gostoso ter rugas ou ter que comer menos para ficar magra. Mas acho que a gente tem que aceitar o tempo e a natureza. Claro que se cuidando e usando os recursos que existem para envelhecer da melhor maneira possível. Mas isso não quer dizer que você vai conseguir parar o tempo e continuar jovem. Não tem jeito. E não adianta ficar cuidando só do corpo, se a cabeça estiver ruim. Hoje me sinto mais madura e, portanto, mais tranquila, segura e menos ansiosa.

Como você mantém a forma?
Sempre tive uma relação com o corpo, mas fui mais da dança, não gostava de academia, de correr. Agora eu faço ioga, pilates e power plate, que é um aparelho de ginástica que emite vibrações e ajuda a tonificar os músculos. Mas a quantidade de vezes em que me exercito depende do trabalho que estou fazendo no momento, do meu roteiro de gravação ou se estou fazendo teatro.

Tem algum cuidado especial com a alimentação?
Escolho bem o que como. Procuro manter uma alimentação saudável e de baixa caloria no dia a dia. Evito doces, frituras e não gosto de refrigerante. Mas adoro comer fora e beber um vinho ou uma caipirinha de vez em quando. Mas sem exageros.

É verdade que você quis ser bailarina na adolescência?
Quando vim morar no Rio meu pai era casado com uma bailarina e fomos morar do lado de uma escola de dança. Então eu comecei a fazer balé aos 9 anos e depois cismei que ia ser bailarina. Eu não fazia mais nada, só pensava nisso. Saía da escola e passava a tarde fazendo aula de balé. Li a biografia da Isadora Duncan e aproveitava as férias para me matricular em cursos. Até dança afro eu fiz.

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS