- Anuncie
- Assine

   
 
Reportagens // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


"Não sou de censurar meus pensamentos"
Autor de Passione, Silvio de Abreu não se intimida com a pressão do Ibope, diz que é fiel ao perfil de suas personagens e, aos 67 anos, afirma que não pensa em se aposentar

Gustavo Autran

O novelista conta que abandonou um emprego de funcionário público para entrar para o teatro e nunca se arrependeu

O sotaque italiano, mais precisamente da Mooca, bairro fundado por imigrantes em São Paulo, sempre foi o molho ao sugo das novelas de Silvio de Abreu. O som melodioso e alegre da língua românica – ou do paulistanês – virou marca registrada do novelista, que costuma ambientar suas tramas na capital paulista. Em Passione, atualmente no ar, Silvio transformou o sotaque “macarrônico” em idioma oficial. Era uma questão de tempo para que isso acontecesse, pois ele é um apaixonado pela Itália e pelos filmes italianos antigos, que equilibravam perfeitamente o melodrama com a comédia.
Com 15 novelas no currículo, o autor especializou-se em criar tramas assim, que misturam risos, lágrimas e ainda uma boa pitada de suspense. No esforço de prender a atenção do público, Silvio tem reservado mais de 12 horas por dia para redigir os capítulos de Passione. Acorda às 6h30 da manhã e escreve 40 páginas em seu escritório, no último andar do tríplex onde mora, em São Paulo. Casado há 35 anos com a psicóloga Maria Célia, Silvio diz que, quando cria suas histórias, não sente medo de nada. “Não sou de censurar meus pensamentos ou minhas ideias. Não temo os rumos para onde minha imaginação me leva”, diz. Abaixo, ele fala de sua relação com a Itália, da queda por abordar temas polêmicos e relembra os tempos em que trabalhou como office boy.

Alguns autores dizem que param suas vidas quando estão com novela no ar. Como é a sua rotina nesse período?
Acordo por volta das 6h30 da manhã, tomo café e sento para escrever. Faço uma pausa na hora do almoço, converso um pouco com a família e volto ao trabalho. Só paro depois de terminar de redigir o capítulo, o que leva em média de 12 a 15 horas diárias. Mas sobra tempo para a família. É uma forma de recarregar as energias e arejar o pensamento.

Como surgiu a ideia de Passione?
Uma das inspirações foi o cinema italiano das décadas de 40, 50 e 60. Este foi um período em que a comédia e o melodrama se misturavam numa medida impossível de não se apaixonar. A Itália era o país que aparecia em meus sonhos. Esse encantamento está relacionado à minha origem, pois a minha família materna veio de lá.

Uma pesquisa realizada pela Globo revelou que o público quer que a vilã Clara, vivida por Mariana Ximenes, se regenere. A pressão da audiência o incomoda?
A reação do telespectador com Clara não me surpreende. Ela não é uma psicopata, mas uma sobrevivente. Nunca teve boa família, sempre precisou se virar sozinha e faz o que for preciso para chegar onde quer. Então, Clara terá o destino que deveria ter desde a sinopse. Respeito muito o público, por isso me mantenho coerente à psicologia das minhas personagens.

Recentemente o sr. declarou que os atores homossexuais não deveriam “sair do armário” para não prejudicar seus trabalhos. Assumir-se gay na vida real pode arruinar a carreira de um galã?
Cada um deve fazer o que achar melhor para a sua vida. Com relação ao galã de uma novela, personagem idílico que preenche os sonhos românticos e eróticos das telespectadoras, o fato de um ator desse naipe se revelar homossexual vai fazer com que o sonho se quebre, e isso pode prejudicar a sua carreira. Na minha opinião, a vida pessoal de cada um deve ser preservada, independentemente da sua opção sexual. Admiro um artista pelo seu talento, carisma e desempenho em sua profissão, e não por aquilo que acontece atrás das câmeras.

Fernanda Montenegro e Tony Ramos são nomes quase sempre presentes nos créditos de suas novelas. É melhor trabalhar com os amigos?
É melhor trabalhar com atores talentosos e, se forem amigos, melhor ainda. Gosto de ter em meus elencos atores em que confio e que confiam em mim. O mais importante é que os atores gostem do seu texto e entendam o que você está escrevendo.

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS