- Anuncie
- Assine

   
 
Cinema // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Angelina Jolie contra a nova Guerra Fria
Única mulher a ter êxito em filmes de ação, a atriz fica com papel que seria de Tom Cruise em Salt, aventura de tirar o fôlego

Aina Pinto

 

Fotos DAVID GIESBRECHT
A atriz muda de visual quatro vezes ao longo do filme; em um deles, de homem

 

Fotos DAVID GIESBRECHT

★★★ AÇÃO
FILME DE AÇÃO é um gênero masculino. Os grandes heróis são homens, como James Bond ou, modernamente, Jason Bourne. Mas há Angelina Jolie, que tem conseguido mais êxito nesse tipo de produção que muito fortão. Depois de Tomb Raider, e Sr. e Sra. Smith, agora ela está em Salt, dirigido por Phillip Noyce (Jogos Patrióticos). O nome do filme é o sobrenome da personagem – que seria Edwin Salt, interpretado por Tom Cruise, mas ele desistiu do projeto, Angelina entrou para o elenco e o superagente da CIA virou Evelyn Salt.

Logo na primeira cena, ela aparece sendo torturada por coreanos. Depois de resgatada, segue a vida normal, tenta sair mais cedo do trabalho para comemorar o aniversário de casamento. E, então, chega um desertor russo para contar sobre um programa do passado: um homem treinava crianças para serem espiãs e enviadas aos Estados Unidos. Adultas, elas começariam a agir e uma delas estaria encarregada de um atentado contra o presidente russo em visita aos Estados Unidos, provocando a ira russa e iniciando uma nova Guerra Fria. E ele aponta Salt como sendo a espiã.

Trancafiada por outros agentes desconfiados, ela consegue escapar montando uma bomba a partir de produtos de limpeza e o pedaço de uma mesa, e parte para uma correria absurda, cheia de cenas de luta, com direito a pulos pelo teto de carros em alta velocidade enquanto é perseguida aos tiros. A Salt de Angelina não deve nada aos heróis típicos: é durona, sem psicologismos, escorrega por elevadores e chuta a cabeça das pessoas em cenas que beiram o absurdo, mas que são a alma dos filmes de ação à moda antiga, sem recursos à la Matrix. Como a ideia é de que o público fique na dúvida se ela é vilã ou mocinha – o que não é exatamente bem-desenvolvido, porque isso fica claro na primeira hora de filme – Salt segue solitária arrasando quem passar pela frente e, feito homem, também leva muita pancada, o que pode causar estranheza ou desconforto. E ainda arruma tempo para disfarces. São quatro mudanças de visual. Em uma delas, Angelina aparece como um homem – e feio, por sinal.
(Classificação indicativa: a conferir)

 

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS