- Anuncie
- Assine

   
 
Diversão & Arte // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Livros
"As crianças têm de aprender a conviver com uma nova realidade"

Por Camilla Gabriella

Foto: Rafael Hupsel / AG.ISTOÉ
O escritor conta ter ficado preocupado com preconceito e bullying entre crianças

Lançando livros infantis em que aborda a homossexualidade, o novelista lembra a infância, quando descobriu a literatura - e o preconceito social

ESCREVER SOBRE ASSUNTOS POLÊMICOS não é novidade para Walcyr Carrasco. Mas, pela primeira vez, o escritor e novelista paulista, 58 anos, inova e aborda a temática homossexual para crianças entre 8 e 10 anos na coleção Todos Juntos (três livros de 40 págs., Ática, R$ 24,90 cada um) que acaba de ser lançada. Nos livros Meus Dois Pais, A Ararinha de Bico Torto e Pituxa, a Vira-lata, Walcyr discute a questão das diferenças. Na entrevista à Gente, o autor fala sobre os preconceitos sofridos na infância e adolescência e da vida entre celebridades


Igual à Emília
"Aos 11 anos, comecei a ler Monteiro Lobato e o mundo se abriu pra mim. Emília, aquela personagem curiosa, inquisitiva, mexeu comigo. Depois disso, passei a ler tudo que me caía na frente. Minha mãe dizia que eu virei outro depois que conheci a Emília. Eu era bonzinho, quietinho, obediente e ia à igreja todo domingo. De repente, comecei a perguntar tudo e não queria mais ir à missa. Meus pais me davam muitos livros. Aos 12, queria ser escritor. Aos 13, ganhei uma máquina de escrever comprada à prestação com muita dificuldade. Aos 14, fiz um curso de datilografia."


Dois pais e duas mães
"Sempre escrevi para crianças. Boa parte da minha literatura infantil já aborda temas fortes, como o Vida de Drogas. Outro abordava a Aids na adolescência. Estava preocupado, porque hoje em dia vejo que existe muito preconceito, bullying com aquele que é diferente. Sugeri para a editora Ática uma coleção que fosse em cima das diferenças. Um deles fala de um menino cujo pai vive com um companheiro. As crianças têm de aprender a conviver com essa nova realidade, com o coleguinha que tem dois pais ou duas mães. Só porque o filho é criado por um pai gay quer dizer que ele também vai ser? Não, porque a maioria dos gays é criado por casais heterossexuais. Esse tema tem de ser debatido para eliminar o preconceito."


1 | 2 | Próxima >>



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS