- Anuncie
- Assine

 
 
 
Capa // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Carol Dieckmann sem censura
Dona de uma beleza ímpar e de um raciocínio ligeiro, a atriz abre o verbo e dispara suas opiniões sobre sexo, traição e filhos sem medo do "fogo cruzado". Reflexo de uma das personalidades mais interessantes do show biz

Por Gustavo Autran / Fotos e beleza: Alê de Souza

Quando chegou para a entrevista e a sessão de fotos com Gente, na manhã da quinta-feira 1º, Carolina Dieckmann tirou os óculos escuros e desculpou-se por estar com a "cara salgada de tanto chorar". Depois de um segundo de constrangido silêncio, ela abriu um sorriso que iluminou todo o ambiente e foi logo esclarecendo o motivo das lágrimas. Estava voltando da despedida da professora preferida de Davi, seu filho mais velho, que estuda na Escola Britânica, em Botafogo. Explicação dada, acomodou-se na cadeira e começou a puxar conversa, enquanto o beauty stylist Alê de Souza trabalhava com o objetivo de deixá-la ainda mais bonita para o ensaio fotográfico que ilustra essas páginas. Carolina é assim. Mesmo com a agenda atribulada, arruma tempo para participar ativamente da educação dos dois filhos: o primogênito, Davi, de sua união com o ator Marcos Frota, e o caçula, José, de seu casamento com o diretor Tiago Worcman. Como mãe, dá carinho e atenção mas estabelece limites. "Quando a gente conversa, sempre considero que eles têm condição de entender o que estou dizendo, não falo como se os dois fossem bobos", opina.

Apesar de acostumada a interpretar mocinhas nas novelas - como em Passione, na qual vive a romântica estudante de jornalismo Diana -, a Carolina da vida real está longe dessa quase inocência de suas personagens. Ao contrário da maioria das mulheres, por exemplo, ela não tem uma visão romântica da gravidez e confessa que nas duas gestações ficou gorda, feia e mal-humorada. "Não sei lidar com o lado abstrato da gravidez. É estranha a sensação de não saber exatamente como seu filho está, de você não poder olhar no olho dele", conta. Muito bem casada, Carol também não faz rodeios ao defender que a traição pode salvar uma relação. "Ela pode ser perdoável, possível e até necessária, desde que não quebre a lealdade, não exponha o parceiro nem interfira no casamento", dispara.

Claro, esse seu jeito espontâneo, de quem não deve nada a ninguém, já provocou algumas saias-justas. A última foi no finalzinho de junho, quando postou no Twitter um comentário criticando a atitude da atriz Sthefany Brito, recém-separada do jogador Alexandre Pato, que desembarcou no Rio disfarçada com uma peruca preta. "Tudo bem que separar é muito triste, mas se esconder por que, meu deus? A menina não fez nada de errado!!!", dizia o comentário.


1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | Próxima >>



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS