- Anuncie
- Assine

 
 
 
Carreira // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


A volta de Sandy
Em seu primeiro trabalho solo, a cantora expõe sua personalidade, a nova vida e ideias, por exemplo, "a finalidade da relação sexual não é só para reprodução"

Simone Blanes

Fotos PASCHOAL RODRIGUEZ
SANDY SE DESPE. Ela mostra partes de seu cotidiano em Campinas, no interior de São Paulo, onde mora, beija o marido, o músico Lucas Lima, em frente às câmeras, exibe fotos do casamento e solta o verbo quando fala sobre sua criação católica. “Sou batizada, mas não sigo totalmente os preceitos da religião. Acho que tem que usar camisinha sim porque se Deus deu a oportunidade de ter prazer, então a finalidade da relação sexual não é só para reprodução”, comenta.

A jovem de 27 anos que o público viu amadurecer ao longo de 20 anos de vida artística diz isso no documentário que acompanha o primeiro CD de sua carreira solo, Manuscrito. “É como meu filho que estou concebendo há dois anos”, disse na festa de lançamento que aconteceu na tarde da terça-feira 27, no Espaço Lilló, em Moema, em São Paulo.

Durante esse “período de gestação”, Sandy dirigiu o olhar para si mesma. “Dormi tarde, acordei tarde, aprendi a administrar um lar e me acostumei com essa rotina. Descobri que gosto de ser dona de casa”, contou. Foi a primeira vez que a cantora pôde se dar ao luxo de ter tanto tempo introspectivo, afinal, ela passou infância, adolescência e parte da juventude, até seus 25 anos, dedicando-se a uma carreira milionária, que rendeu mais de 15 milhões de discos vendidos.

Sandy mostra-se forte para encarar o desafio de voltar à vida artística num trabalho solo que reflete seu novo momento: uma mulher casada, com um diploma de Letras, exibindo pela primeira vez na vida cabelos curtos na altura da nuca e, principalmente, com o total controle do que produz. “Aos 12 anos, morria de vergonha de cantar aquela música dos ‘Power Rangers’. Achava o maior mico. Então, depois de 20 anos de carreira, acho que mereço fazer um disco para mim, que me satisfaça como cantora e compositora. Pode até parecer egoísta, mas esse CD é muito meu”, disse.

Fotos PASCHOAL RODRIGUEZ

 

1 | 2 | Próxima >>



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS