- Anuncie
- Assine

   
 
Reportagens // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Ensaio
Marcelle Bittar e suas histórias
A TOP revela 10 curiosidades sobre sua infância, o início da carreira, o primeiro beijo e a vontade de ser mãe até os 30 anos

Simone Blanes

Foto Alê de Souza

O nome de Marcelle Bittar é dos mais conhecidos no mundo fashion. Prestes a completar 28 anos, a modelo paranaense tem presença marcante nas passarelas e campanhas pelo mundo afora, seja pela postura, seja pela "cara de brava", como ela mesma assume que tem. Contratada pelo canal por assinatura E! e integrante do bombado casting do Monange Dream Fashion Tour, ela conta aqui dez curiosidades a respeito de sua vida pessoal e profissional. Do primeiro beijo, e da aversão pelo banho na infância, ao sonho de ser mãe antes dos 30, conheça um pouco mais desta top de personalidade forte e doce, ao mesmo tempo.

1 Mimadinha
Nasci no dia 5 de maio, às 18h15, de cesárea. Fui muito mimada porque era a primeira filha, a primeira neta, a primeira sobrinha. Fui muito esperada. Minha mãe ficou linda grávida e até hoje guarda meu álbum de bebê com meus primeiros fios de cabelo que de tão ruivo, chega a ser cor de laranja.

2 Medo do chuveiro
Na minha infância, em Guarapuava, eu era moleca, adorava brincar na rua, de esconde-esconde, de bola. Subia em árvores, rolava na lama. E não era muito fã de tomar banho. Teve uma vez que eu saí correndo e me tranquei no banheiro. Fiquei segurando a porta e minha avó abriu com tudo. O trinco saiu e veio direto na minha testa! Aquilo sangrou tanto que até hoje tenho a marca. Tudo para não tomar banho, acredita?

3 Vende-se prova escolar
Sempre fui muito alta e magra e por isso era a última da fila. Ficava brava porque até os meninos ficavam na minha frente quando tínhamos que cantar o Hino Nacional toda segunda-feira. Em compensação era esperta, me dava bem na escola, não precisava estudar em casa. Na quinta série, comecei a passar cola e a cobrar uma coxinha e uma coca-cola, até a professora descobrir e me colocar para fazer prova sozinha, na mesa dela.

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>
   


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS