- Anuncie
- Assine

 
 
 
Diversão & Arte // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Sexo, drogas e rock de arena

Livro conta a história do cantor do grupo Queen com ênfase na busca solitária por amor e prazer que o levaria à morte

ENVOLTO EM PROGRESSIVA aura mítica desde sua morte, causada pela Aids, Freddie Mercury (1946 - 1991) viveu como poucos o clichê "sexo, drogas e rock'n'roll". O rock era pop e moldado para arenas e estádios, palcos dos lendários shows do Queen, o grupo britânico que deu fama mundial nos anos 70 e 80 ao seu vocalista descendente de indianos. O sexo foi buscado de forma desenfreada para amenizar a solidão vinda com a rotina desgastante das turnês. E as drogas foram o aditivo de uma vida intensa, recontada pelo escritor Selim Rauer na biografia Freddie Mercury (Planeta, 320 págs., R$ 49,90), lançada no Brasil neste mês de março.

Sem sensacionalismo, mas com adoração por Mercury, o autor reconstitui a trajetória de um ídolo que sofreu na infância ao ser separado dos pais para estudar em colégio interno longe da comunidade de raiz oriental em que nasceu. A providencial mudança para Londres, na adolescência, marcou o contato do rapaz com a cultura pop britânica e abriu o caminho da fama para o futuro astro. Com narrativa leve e agradável, a biografia detalha a gênese do Queen e explica o conceito de cada álbum/turnê da banda enquanto relembra a via-crúcis pessoal de Mercury, que passou a viver sua homossexualidade longe dos holofotes. A biografia não mascara o caráter promíscuo do artista, mas seu fato mais revelador é a informação de que os produtores do Queen precisaram negociar com os governos ditatoriais que reinaram na América do Sul dos anos 70 - inclusive o do Brasil - para que o grupo tivesse passe livre numa turnê desbravadora, feita quando tais países ainda não figuravam na rota internacional de shows

 

 

 

Li e gostei Raquel Zimmermann

"Eu recomendo O Alquimista, de Paulo Coelho. Tirei dessa leitura a lição de que o importante não é o que você ganha no final e sim como você chega lá" (Planeta, 192 págs., R$24,90)

Raquel Zimmermann é top model

 

 

 

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS