- Anuncie
- Assine

 
 
 
Música // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Acordes infinitos de Hendrix
Álbum de estúdio inédito puxa a série de edições especiais para lembrar os 40 anos da morte do guitarrista

Fotos DIVULGAÇÃO
Álbum inédito de Jimi Hendrix sai em março

O CATÁLOGO DE JIMI HENDRIX (1942 - 1970) continua sendo um dos produtos mais rentáveis da indústria fonográfica por conta do mito alimentado em torno do incendiário guitarrista. Hendrix, a rigor, gravou discos num curto período que vai de 1967 a 1970. Mas seu baú é um dos que parecem não ter fundo no mercado da música. Sobretudo neste ano de 2010, quando se completam quatro décadas da morte do artista. Quem comanda o lucrativo espólio é uma irmã do guitarrista, Janie Hendrix. Em parceria com a Sony Music, ela produz uma série de edições especiais da obra do astro. O pontapé inicial vai ser dado em 2 de fevereiro, com o lançamento do single "Valley of Neptunes", faixa-título de um inédito disco de estúdio do astro.

Previsto para março, Valley of Neptunes, o álbum, foi gravado em 1969 entre estúdio da Inglaterra e dos Estados Unidos. O repertório inclui covers do power trio Cream, "Sunshine of your Love", e do guitarrista de blues Elmore James (1918 - 1963), de quem Hendrix toca "Bleeding Heart". Além do álbum inédito, são lançadas reedições luxuosas dos três álbuns oficiais do trio The Jimi Hendrix Experience - Are You Experienced? (1967), Axis: Bold as Love (1967) e Electric Ladyland (1968) - e coletânea com gravações raras. Paralelamente, vai sair em DVD e em blu-ray o registro dos shows feitos por Hendrix no Royal Albert Hall, em Londres, em fevereiro de 1969. Mauro Ferreira

Top 5 Manoel Carlos
O autor de Viver a Vida conta quais são os cinco compositores que considera fundamentais para a música popular nacional

Tom Jobim
Vinicius de Moraes
Adoniran Barbosa
Lamartine Babo
Chiquinha Gonzaga

sonoras
What Will We Be, Devendra Banhart Banhart encarna um hippie tardio e meio amalucado que idolatra o som de Mutantes e Caetano Veloso. Tais devoções de fã extremado acabam fazendo com que sua música seja menos ouvida do que deveria. Sexto álbum do artista norte-americano, What Will We Be é seu trabalho mais solar, mais pop. Rodrigo Amarante, do desativado grupo Los Hermanos, toca guitarra no disco. ""Angelika" e "Cant' Help but Smiling" são destaques do CD, o primeiro de Banhart numa grande gravadora (no caso, a Warner Music).

Tecnomacumba - A Tempo e ao Vivo, Rita Ribeiro
Tecnomacumba é o ponto mais forte da carreira da excelente cantora maranhense. O show, no qual Rita apresenta repertório de temática afro-brasileira, faz sucesso há mais de seis anos. Este tardio registro ao vivo, editado em CD e em DVD, foi uma exigência dos fãs, já que o disco de estúdio de 2006 não captou toda a pegada do show. É fato que a participação de Maria Bethânia, em "Iansã", poderia ter rendido mais. Porém, no todo, a gravação é excelente. M.F.



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS