- Anuncie
- Assine

 
 
 
Diversão & Arte // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Música
Suingue que ainda faz escola
Alguns álbuns antológicos de Ben Jor nunca tinham ganhado edição bem cuidada em CD
Fotos DIVULGAÇÃO

Caixa embala 13 álbuns da fase áurea de Jorge Ben Jor, um dos artistas mais originais da música brasileira

IMPOSSÍVEL ROTULAR a obra de Jorge Ben Jor. Lançada em 1963, a música do compositor é, em si, um ritmo à parte na música brasileira. Calcada inicialmente no violão percussivo do artista, tal obra tem suingue todo próprio que ainda inspira artistas (como Seu Jorge) quase 50 anos após seu aparecimento. Por isso, o lançamento da caixa Salve, Jorge! - que embala 13 álbuns da fase áurea do cantor, gravados entre 1963 e 1976 - é um dos acontecimentos mais relevantes da indústria fonográfica nacional nos últimos anos. Inclusive porque discos como Negro É Lindo (1971), que incorporou o soul à música de Ben, nunca tinham ganhado edições decentes em CD. Há álbuns antológicos na caixa. O primeiro título da coleção, Samba

Esquema Novo (1963), é um deles, tendo apresentado o som realmente novo de Ben, um samba que tinha algo de rock, maracatu e bossa nova. Tal balanço ficaria ainda mais azeitado em Jorge Ben (1969), obra-prima de 1969 que rendeu clássicos como "País Tropical" e juntou o cantor ao Trio Mocotó. Igualmente irretocável, Ben (1972) é o disco que lançou "Taj Mahal". Já A Tábua de Esmeraldas (1974) expôs o envolvimento do artista com os conceitos de alquimia e filosofia enquanto África Brasil (1976) marcou o início da eletrificação da obra de Ben. A troca do violão pela guitarra culminaria com uma fase mais pop e menos inventiva da música do cantor. Mauro Ferreira

Sonoras

Soulbook, Rod Stewart Rod Stewart nunca lançou um disco tão bom quanto Soulbook desde que se dedicou a fazer álbuns com regravações de standards. O foco atual são clássicos do soul e do r&b dos anos 60 e 70. As participações de lendas do gênero, como Stevie Wonder (gaita em "My Cherie Amour") e Smokey Robinson (vocais em "Tracks of my Tears"), conferem charme adicional ao CD. Com sua voz rouca em boa forma, Rod põe energia quase jovial em faixas como "Love Train".

 

Graiti, Chris Brown virou manchete em 2009 por ter surrado sua então namorada Rihanna. A agressão virou o mote do último álbum da cantora, Rated R. Brown também toca no assunto em Graiti, buscando redenção na faixa "Famous Girl". Mas não faz da briga o único tema do disco, de alta carga erótica. Entre baladas r&b de sotaque radiofônico, como "Sing Like Me", o artista lerta com o som sintetizado da década de 80 (em "I.Y.A. - In Your Arms") e com o rap de batida funkeada (em "I Can Transform Ya"). M.F.


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS