- Anuncie
- Assine

 
 
 
Especial // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Personalidade do Ano Esporte
Ronaldo sempre fenômeno
Após 14 anos na Europa, o craque volta aos campos brasileiros como astro do Corinthians, goleia a crítica e recupera a posição de titular no time dos heróis nacionais

Ana Carolina Soares FOTOS André Schiliró

''Tenho mais um ano como jogador de futebol. Depois, quero me aposentar. Vou me dedicar à família e, mais tarde, retomar os estudos. Quero fazer algo ligado a esporte e entretenimento''

"EU VOLTEI AGORA PRA FICAR", diz o carioca Ronaldo Luís Nazário. A letra da música "O Portão", de Roberto e Erasmo Carlos poderia muito bem ser a trilha sonora de sua vida em 2009. O retorno aos campos brasileiros trouxe alegria para o craque e para a torcida nacional. "Estava com saudade, afinal foram 14 anos jogando na Europa, sendo um estrangeiro, e estou adorando essa identificação com o meu povo que me apoia, às vezes me critica, mas também vibra e se emociona comigo", diz.

Em 16 anos de futebol, Ronaldo construiu uma carreira de superlativos: coleciona 46 prêmios, entre eles, três troféus de melhor jogador do mundo pela Fifa (Fédération Internationale de Football Association); detém o título de maior artilheiro da história das Copas do Mundo, com 15 gols. Com uma trajetória cheia de altos, o craque também enfrentou alguns baixos: a convulsão na final da Copa do Mundo de 1998 na partida contra a França; uma lesão gravíssima no joelho direito em 2000 e outra quase idêntica, mas no joelho esquerdo, no ano passado.

Em cada um desses momentos, muitos médicos, críticos, boleiros cravaram: "agora ele encerra a carreira". Mas o apelido Fenômeno, conquistado em 1997, nunca fez tanto sentido. Ronaldo sempre teve a capacidade de se reerguer. Não é à toa que ele se identifica tanto com a música composta em sua homenagem por Marcelo D2: "Às vezes caio, mas eu me levanto, mas eu me levanto/ Sou Ronaldo/O desafio sempre esteve/ E estará em minha vida/ E eu já nem me espanto".

É a sua capacidade de voltar que dá a Ronaldo uma aura de herói nacional. No final de novembro, a pesquisa "Holiday 2009", encomendada por uma multinacional, revelou que o craque é a terceira personalidade mais admirada do País. Com 25,1% das citações, fica atrás apenas de Gisele Bündchen (45%) e Lula (29,9%). "Estar exposto é uma droga", desabafa, aos risos. "E não tem essa de vida profissional e vida pessoal, sou um só. Mas esses acertos e erros são humanos e acho que o povo se identifica com isso", completa.

Ao saber que levaria o título de Personalidade do Ano no Esporte, comentou: "É ótimo, extremamente gratificante ter esse reconhecimento. Só tenho a agradecer todo o carinho."

Fênix corinthiana

Foi com a camisa preta e branca do Corinthians - cujo padroeiro curiosamente é um guerreiro, São Jorge - que Ronaldo conquistou sua volta mais recente.

E que volta! Taxado de gordo, velho aos 32 anos e ainda por cima recuperando-se de uma grave lesão, ele voltou ao País no início do ano e começou a frequentar o centro de treinamento do Flamengo para recuperar a forma. Havia recebido duas propostas para jogar no Exterior: uma de um time inglês e outra, milionária, da Arábia Saudita, mas recusou. "Eram convites muito generosos, mas eu queria mesmo era ficar no Brasil", conta.

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS