- Anuncie
- Assine

 
 
 
Urgente // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Sasha é elogiada por autor
Pedro Bandeira, autor de O Fantástico Mistério de Feiurinha, corrige mal-entendido com carta carinhosa à filha de Xuxa

Fotos: AG.NEWS

O primeiro filme de Sasha como protagonista, Xuxa e o Fantástico Mistério de Feiurinha, tem estreia marcada para dezembro e a atriz-mirim já recebeu elogios de Pedro Bandeira, autor da obra em que o longa se baseia.

No domingo 1º, ele escreveu uma carta para Sasha como pedido de desculpas em relação a uma suposta crítica, publicada no mesmo dia num jornal paulistano, sobre a atuação da atriz. E Pedro se intitulou até como um "vovô-reserva" de Sasha.

Falando em família, Beth Szafir, mãe de Luciano Szafir, diz que sua neta "é uma artista nata." Segue na íntegra o desabafo de Pedro Bandeira.

Minha querida Sasha,

Você, que ainda não tem nenhuma maldade no coração, é exatamente como eu que, apesar de tão velho, ainda não aprendi a me proteger das maldades deste mundo. Assim, há pessoas que se aproveitam dessa nossa ingenuidade para escrever coisas que nunca dissemos nem nunca pensamos.

Há muitos anos, bem antes de você nascer, eu criei uma personagem chamada Feiurinha e o grande ilustrador Avelino Guedes criou a imagem dessa pequena heroína. Eu a havia imaginado como uma menina muito pura, inocente, ingênua, maldosamente enganada por bruxas bem malvadas. E o Avelino havia desenhado uma imagem dessa personagem, exatamente com a pureza no rosto e no olhar que eu havia imaginado.

Daí, no final de 2007, eu conheci a menina Sasha. E ali, na minha frente, estava a perfeita Feiurinha! No seu olhar, eu vi a mesma ingenuidade e pureza que havia imaginado para essa personagem dos contos de fadas. E seu rostinho era exatamente o mesmo, tinha a mesma expressão que o Avelino havia desenhado! Pronto! O principal apelo do filme estava resolvido: tínhamos a perfeita Feiurinha! Não cheguei a presenciar nenhuma das cenas que você protagonizou, mas pude ver uma delas no notebook do diretor de cena do nosso filme.

Era uma cena em que você, em close, ergue os olhinhos para o príncipe... Que doçura! Fiquei imaginando o impacto que essa expressão causará nos espectadores... Com uma expressão como essa, com a ingenuidade e honestidade daquele olhar, com a timidez natural da menina Sasha, o que eu queria estava filmado: todo mundo morreria de pena da situação da menina e ficaria com raiva das bruxas malvadas!

"Minha querida netinha, eu peço perdão pelo fato de esse seu vovôreserva ser tão ingênuo e tão desastrado"
Pedro Bandeira

Foi isso o que eu disse em várias entrevistas que dei sobre o filme: que o papel da menina Sasha ou seria fácil de representar ou seria quase impossível! Disse que essa não era uma questão de talento, era uma questão de ser a personagem!

Para uma atriz, por mais talento que tenha, não é nada fácil expressar somente com o rosto, somente com o olhar, a doçura, a pureza, a honestidade de Feiurinha. Assim, no caso da menina Sasha, isso seria fácil, pois Sasha, pois a candura de Sasha, pois a honestidade do olhar de Sasha, eram o retrato da alminha de Feiurinha!

Mas a jornalista achou melhor publicar somente a parte da falta de necessidade de talento para representar a personagem... O que se há de fazer, minha queridinha? Como eu posso obrigar alguém a escrever num jornal o sentimento que você despertou em meu espírito quando a conheci?

Ah, quando me perguntam sobre a sua mamãe, eu sempre digo que tenho idade para ser papai dela e que, se ela quiser, posso ser um papai-reserva, um papaistand- by, para servi-la em qualquer momento que ela precisar. E, acima de tudo, eu gostaria muito de ser o seu vovô. Mesmo que seja um vovô-reserva, um vovôstand- by, um velhinho que sempre estará à espera de ser chamado porque você caiu, arranhou um joelhinho e precisa de um ombro para choramingar. Eu faria cafuné em sua cabecinha e a ninaria até você se acalmar e adormecer como um anjo nos braços do vovô...

Em meus livros, querida netinha, muitas vezes eu acho que consegui transmitir o amor que mora em meu coração. Mas na certa eu não consigo obrigar a ninguém que reproduza esse meu sentimento na imprensa. Parece que o papel do amor não é notícia, somente o escândalo e a maledicência devem ser levados aos leitores. Por exemplo, lembro-me perfeitamente de ter dito e repetido que a maior admiração que tenho pela sua mamãe, é o fato de ela cuidar de mais de 300 crianças abandonadas, como uma mãezinha de verdade, para aqueles que não têm um anjo para cuidar de seu futuro.

Mas não me lembro de isso ter sido publicado pelos jornalistas. Ao perguntarem o que eu acho de sua mamãe, talvez eles esperem que eu só fale da beleza do rosto dela. Ora, para qualquer papai, a sua filha é sempre bela, mas o que eu gostaria que publicassem é que eu me apaixonei pela beleza da alma dela, pelo bem que ela faz, como mãe de 300 e como a artista que há anos só espalha ética e esperança para os milhões e milhões de crianças que crescem aprendendo com a Xuxa a amar o mundo, a respeitar a vida, a fazer um Brasil melhor. .

A beleza única de sua mamãe, Sasha, o tempo poderá diminuir, mas a beleza da alma dela, do caráter dela, como mulher e como artista, isso nunca, nunca poderá ser apagado! Minha querida netinha, eu peço perdão pelo fato de esse seu vovô-reserva ser tão ingênuo e tão desastrado. E sei que você me perdoará, como eu a perdoaria ainda que você fizesse uma má-criação. Afinal, onde mora o amor, sempre habitará o perdão, não é? Um beijo do seu vovô-reserva

Pedro Bandeira

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS