- Anuncie
- Assine

 
 
 
Livros // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


ROMANCE
O Velho Testamento segundo Saramago
Escritor português volta ao tema religioso em Caim, em que reflete sobre o relacionamento do homem com Deus

RENATO PARADA
No novo livro, José Saramago desperta diversos sentimentos com sua narrativa envolvente
DIVULGAÇÃO

PILAR DEL RIO, MULHER DE JOSÉ SARAMAGO, escreveu no site do autor sobre o lançamento de Caim (Companhia das Letras, 176 págs., R$ 36) e lançou um desafio: "Aposto que quando o terminardes, quando fizerdes o gesto de o fechar sobre os joelhos, olhareis o infinito, ou cada qual o seu próprio interior, soltareis um uff que vos sairá da alma, e então uma boa reflexão pessoal começará."

Pilar não colocou valor na aposta mas, se o tivesse feito, levaria uma bolada dos leitores. Porque Caim mostra o autor em grande forma, seus diálogos intrincados e intrigantes, seu humor, sua ironia, sua tristeza. Saramago volta a um tema bíblico, como em O Evangelho Segundo Jesus Cristo, mas agora se dedica ao Antigo Testamento e faz de Caim o homem que experimenta os caprichos do Senhor.

Depois de matar o irmão, Caim tem um embate com Deus. "(...) matei abel porque não podia matar-te a ti, pela intenção estás morto", diz o homem, exigindo que Deus divida com ele a culpa por não ter impedido tal brutalidade. Marcado na testa e com a promessa de que não terá uma morte violenta, Caim passa a viajar no tempo, testemunhando a construção e a destruição de Babel, impedindo que Abraão mate Isaac, tornando-se amante de Lilith.

O contador de histórias Saramago faz uma narrativa envolvente, fluente, capaz de despertar os mais diversos sentimentos, e a permeia com considerações provocadoras, não apenas sobre Deus e o homem, mas sobre as crueldades e frivolidades humanas. É uma história em que se anseia por conhecer o final. E quando ele chega, é preciso dizer a Pilar que ela ganhou fácil a aposta.
Aina Pinto

FÁBIO GUINALZ/AG.NEWS

 

Li e Gostei Danielle Winits

"A Linguagem Secreta do Cinema, de Jean-Claude Carrière, usa da poesia para falar de coisas técnicas do cinema, como o filme é feito, como é montado. É bárbaro." (Nova Fronteira, 224 págs., R$ 32)

Daniele Winits é atriz e está na peça Hairspray

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS