- Anuncie
- Assine

 
 
 
Estilo // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Casa
Os donos da festa
Depois de 11 anos promovendo um dos réveillons mais badalados do Rio, no lendário Edifício Chopin na avenida Atlântica, André Ramos e Bruno Chateaubriand mudam de endereço, mas avisam que a festa só trocou de lugar

Silviane Neno Fotos Luciana Avellar / Ag. IstoÉ

À esq. André e Bruno na varanda da casa na Gávea para onde a dupla se mudou há sete meses. Ao lado, o living reproduziu um dos ambientes do Chopin, com móveis e objetos do antigo apartamento. Acima, a vegetação, vista de qualquer ângulo do casarão

A notícia soou como uma bomba na sociedade carioca. Durante dias não se falou em outra coisa. Das mesas do Cipriani, às rodinhas do Country e às colunas sociais, o assunto era Bruno Chateaubriand e André Ramos. O boato era que a dupla estava de mala (muitas, Louis Vuitton) e cuia, prontas para deixar o mítico Edifício Chopin, no coração da avenida Atlântica do Rio olímpico. Era verdade.
Depois de 11 anos no endereço que virou sinônimo de festa em muitos de seus andares, a dupla estava de partida do décimo pavimento, na coluna um (detalhe importantíssimo, pois significa estar de frente para o mar) rumo a uma confortável casa na Gávea. "O Chopin perdeu muito sua identidade, muito de sua tradição familiar", justifica Bruno. E tradição é algo que eles fazem questão de cultuar, quase como religião.

As festas promovidas pelos dois costumam provocar intenso frenesi meses antes do réveillon e já produziram muitas histórias. Certa vez, André e Bruno resolveram encher o armário do lavabo de bolinhas de gude para pregar uma peça em quem resolvesse bisbilhotar o que havia dentro. O problema é que o xereta de plantão foi justamente um convidado com o qual eles tinham pouca intimidade. As bolinhas rolaram pelo chão do lavabo e foi uma saia-justa. "Ele se justificou dizendo que já encontrou a porta do armário aberta", lembra Bruno às gargalhadas.
Sete meses depois da repercutida mudança para a Gávea, eles revelam que fecharam as portas do Chopin sem olhar para trás. "Fomos felizes ali, dançamos muito naquele mármore e nos olhamos muito naqueles espelhos, mas viramos a página", diz Bruno. E a vista para o mar e a piscina do Copa? "Aqui é o nosso Copacabana Palace", aponta Bruno para a piscina do palacete da Gávea com vista para o verde.

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS