- Anuncie
- Assine

 
 
 
Reportagens // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Comportamento
Um dia com Isabella Fiorentino
A rotina da modelo, que trocou uma vida tranquila em Miami por um cotidiano de 12 horas de trabalho como apresentadora em São Paulo

Gabriela Megale

FOTOS Julia Moraes/Ag. IstoÉ
8h00 Isabella começa o dia com um café da manhã, no qual não pode faltar o mel: “É ótimo para as cordas vocais”
FOTOS Julia Moraes/Ag. IstoÉ
8h15 Um passeio com Ziggy, o shih tzu de 4 anos, pelas ruas do bairro do Itaim Bibi, em São Paulo

NO ANO PASSADO, A MODELO ISABELLA FIORENTINO jogou para o alto a vida tranquila que levava em Miami ao lado do marido, o executivo do mercado financeiro Stefano Hawilla, e voltou a São Paulo, sua terra natal, para realizar um sonho: apresentar um programa de moda. O ideal tornouse realidade e o Esquadrão da Moda, exibido pelo SBT, está na segunda temporada como um dos recordistas de audiência da emissora. Mas, para obter tal sucesso, Bella, como é chamada, trabalha bastante, numa rotina de 12 horas por dia.

Na sexta-feira 21, o ponto de partida aconteceu às 8h da manhã, no aconchegante dúplex, no Itaim Bibi, bairro nobre paulistano, onde vive a apresentadora. Ziggy, o shih tzu de 4 anos, faz as vezes de recepcionista. É ele quem faz companhia a Isabella durante o café da manhã, refeição na qual não pode faltar o mel da fazenda de Ana Velloso. “É ótimo para as cordas vocais e um santo remédio para a garganta”, recomenda. Quinze minutos depois, sai com seu fiel escudeiro para o passeio diário pelas ruas do bairro.

Às 8h45, de volta ao apartamento, a apresentadora encontra o marido, Stefano, indo para o trabalho. “Te amo e bom dia”, diz ela, que irá se declarar inúmeras vezes ao amado pelo telefone. Rumo à academia do prédio para sua prática semanal de ioga, que acontece às 9h, ela revela que o marido foi o único homem por quem realmente se interessou. “Vi o Teté pela primeira vez em um restaurante e pensei que ele fosse estrangeiro, uma vez que eu nunca tinha encontrado aquele deus em São Paulo. Depois de seis meses nos esbarramos em uma festa e tudo começou”, conta, entre um asana e outro.

1 | 2 | 3 | 4 | 5 | Próxima >>



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS