- Anuncie
- Assine

 
 
 
Especial // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Michael Jackson 1958-2009
A perda de um Pai
O discurso de Paris, filha de Michael Jackson, no funeral em Los Angeles, traz à tona um lado desconhecido do astro pop: um pai de família amoroso que se empenhava em mostrar aos filhos como o mundo era um lugar mágico

Bruno Deminco

Até então escondidos por máscaras, os três filhos do astro, Michael Joseph Jackson Jr., 12 anos, Paris Katherine, 11, e Prince Michael II, o caçula de 7 anos, revelaram-se crianças comuns, extremamente sentidas com a perda, durante o velório-show no Staples Center, em Los Angeles, na terça-feira 7

O choro de Paris após sua declaração. Houve tensão entre os irmãos de Michael Jackson no palco. Enquanto Janet, Latoya e Marlon achavam importante que a única filha do cantor falasse a respeito do pai, os outros não estavam certos de que seria uma boa ideia

"DESDE QUE EU NASCI, VOCÊ TEM SIDO O MELHOR PAI que se pode imaginar. Eu só queria dizer: te amo muito." Foi com essas palavras, já quase no fim da grande homenagem pública realizada em Los Angeles, que Paris, filha de 11 anos de Michael Jackson, emocionou o mundo na terça-feira 7. Acostumados a circular em público sempre de máscaras, que lhes davam uma aura excêntrica, a postura dos três herdeiros do cantor foi outra no palco do Staples Center, onde ocorreu o velório-show do Rei do Pop. Ali, Michael Joseph Jackson Jr., 12 anos, Paris Katherine Jackson, 11, e Prince Michael II, o caçula de 7 anos apelidado pelo cantor como Blanket, eram simplesmente três crianças. Eram órfãos que visivelmente sofriam a perda de um pai.

O rosto limpo delas e o discurso simples regado pelas lágrimas de Paris acabaram revelando um lado até então inédito de Michael. O artista negro que mudou sua cor, com suas feições metamorfoseadas por incontáveis plásticas, acusado de pedofilia, que construiu uma "Terra do Nunca" particular para morar, era um bom pai. Um homem que, como qualquer outro ser humano normal, zelava pelo bemestar, educação e, sobretudo, teve o amor de seus três filhos.

Michael fazia questão de mostrar aos garotos como o mundo era um lugar mágico. Na última ceia de Natal que passaram juntos, o popstar preparou uma pequena surpresa para seu trio, que é fã da saga Star Wars. Arnold Klein, dermatologista e amigo do cantor, apontado como pai biológico de Michael Jr. e Paris, levou a atriz Carrie Fisher até a mansão que o postar alugava em Holmby Hills, na Califórnia, por US$ 100 mil por mês. Para quem não lembra, ela ficou famosa por interpretar a Princesa Leah na saga de George Lucas.

De acordo com a revista US Weekly, Michael desceu com as crianças vestidas com pijamas até a sala onde estava a atriz e disse: "Essa é a Princesa Leah!" Michael Jr., Paris e Blanket, ficaram encantados quando a atriz ainda declamou um de seus memoráveis discursos de Star Wars com exclusividade para o grupo. O amigo do dermatologista descreveu os filhos do cantor como crianças felizes, que diziam sempre "eu te amo, papai" quando cruzavam com Michael. Stephen Price, amigo de Arnold Klein que esteve presente na ocasião, ainda descreveu as crianças como "as melhores que qualquer um poderia conhecer".

Fotos AP
Paris consola o caçula Blanket e observa a imagem do pai no telão enquanto Michael Jr. é abraçado. Saudade de um pai amoroso, que na última ceia de Natal, trouxe Carrie Fisher, ou a "Princesa Leah" em carne e osso, para os três fãs de Star Wars

No último aniversário do popstar, em agosto de 2008, quando completou 50 anos, os filhos mais uma vez foram o centro das atenções. Em vez de uma festa megalomaníaca, ele optou por cantar o tradicional "Parabéns Pra Você" na companhia das crianças. Depois de saborearem um bolo de chocolate, Michael e os filhos assistiram aos desenhos preferidos dos três.

Toda essa convivência amorosa ficou clara na expressão das crianças, no estádio durante o funeral. Nos bastidores, houve uma divisão entre os oito irmãos sobre a necessidade de Paris discursar. "Houve tensão entre os irmãos de Michael Jackson no palco. Enquanto Janet, Latoya e Marlon achavam importante que a única filha do cantor falasse a respeito do pai, os outros não estavam certos de que seria uma boa ideia", disse uma pessoa próxima à família ao jornal The Chicago Sun-Times.

Em entrevista à rede de televisão CNN, o Reverendo Al Sharpton, amigo dos Jackson, disse que as palavras de Paris tocaram os corações de todo o mundo e deixaram uma imagem positiva do pai. "Aquilo não foi ensaiado. Ela não leu o discurso. É uma mocinha - na verdade, se você vir, Janet é que falaria, mas trouxe Paris para a frente do microfone. Ela falou do fundo do coração sobre o pai", disse o religioso.

Em sua mansão em Los Angeles, Debbie Rowe foi às lágrimas com o discurso da menina. A enfermeira foi convidada para participar da cerimônia, mas decidiu assistir pela televisão. Ela foi casada com Michael Jackson e é mãe de Paris e Michael Jr. Apesar de abrir mão da guarda das crianças, agora ela pensa em batalhar pela custódia dos filhos. Prince Michael II é fruto de uma barriga de aluguel. Atualmente, os três estão sob os cuidados da avó, Katherine, que vive no bairro de Encino, em Los Angeles. Pelo que se viu em rede mundial, não há dúvidas de que, a despeito de milhões de fãs e admiradores, os três órfãos serão os que mais vão sentir a falta de Michael, não o Rei do Pop, mas o pai.

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS