- Anuncie
- Assine

 
 
 
Cinema // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 







Comédia
A Mulher do Meu Amigo
Adaptação de Cláudio Torres suprime a essência da peça de Domingos de Oliveira

DIVULGAÇÃO
Mariana Ximenes e Marcos Palmeira interpretam um casal infiel
EM SUA SEGUNDA INCURSÃO como cineasta, depois de Redentor, Cláudio Torres se apossa da peça de Domingos de Oliveira Largando o Escritório para fazer A Mulher do Meu Amigo. O argumento original sofreu mudanças e aí começam as comparações, e os problemas. Nos palcos, o próprio Oliveira interpretava o papel que aqui é de Antônio Fagundes, um empresário inescrupuloso e onipresente na vida da filha mimada (Mariana Ximenes) e do genro (Marcos Palmeira), que é também seu sócio. O casal vai passar um fim de semana na casa de campo com amigos de longa data vividos por Otávio Müller e Maria Luísa Mendonça. Cansado das falcatruas do sogro, Palmeira abandona o trabalho e encontra tempo para se apaixonar pela esposa do amigo, sem imaginar que o mesmo tem um caso antigo com sua mulher. Estabelecida a troca de casais, a trama desemboca para a comédia de erros e investe nos encontros e desencontros de um quarteto caricatural - a fogosa, a burra, o safado, o certinho. O personagem de Fagundes era o grande pivô da crise existencial do genro, mas praticamente desaparece da narrativa. Torres se contenta com a questão amorosa, enquanto era a crítica social do texto de Oliveira que tornava críveis os protagonistas. (14 anos)
Suzana Uchôa Itiberê

Copyright © 2008 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS