- Anuncie
- Assine

 
 
 
Bastidores // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 







Maratona no palco
TEXTO BRUNO DEMINCO

FOTOS ROGÉRIO ALBUQUERQUE/AG.ISTOÉ

Perucas trocadas, figurino certo, às vezes com a voz do personagem errado, concentração, alongamento e alguns quilos perdidos. Durante a maratona de ensaios para a remontagem do espetáculo O Mistério de Irma Vap, os atores Marcelo Médici e Cássio Scapin literalmente suaram a camisa - e os vestidos, os xales, as botas. Acostumado com seu peso habitual, Scapin estava feliz com os quatro quilos de massa muscular que ganhara na academia. "Com um mês de ensaio voltei aos 59 kg rapidinho", conta. Já Médici, que se esforça na bicicleta e na esteira para ter fôlego durante o espetáculo, chegou a perder cinco quilos. "Estou metendo o pé na jaca, como um bolo inteiro de chocolate e açaí antes da peça. Estou aproveitando", conta ele, sobre as vantagens da correria em cena.

O espetáculo, montado pela primeira vez no Brasil em 1986 com a direção de Marília Pêra e atuação de Ney Latorraca e Marco Nanini, impressiona pela desproporção: são dois atores em cena que interpretam oito personagens. Na remontagem que está em cartaz em São Paulo, também dirigida por Marília, não é diferente. A cada noite, no palco, Scapin e Médici trocam pelo menos cinqüenta vezes de roupa, de peruca e de voz para arrancar risos da platéia. A maratona dura 120 minutos, com um pequeno intervalo de 15.

A idéia para a nova versão da peça, que ficou onze anos em cartaz da primeira vez, partiu da produtora Andrea Francez, que foi atrás dos direitos autorais. "O engraçado é que mais de uma pessoa já havia falado, em momentos diferentes, que eu e o Cássio deveríamos fazer Irma Vap", conta Médici. "Foi uma confluência de todo mundo, mas quem tomou mesmo a iniciativa foi a Andrea", completa Cássio. Para assumir a direção, os envolvidos com a peça não pensaram em outra pessoa na não ser na própria Marília.

FOTOS ROGÉRIO ALBUQUERQUE/AG.ISTOÉ
A cada noite, Cássio Scapin e Marcelo Médici trocam pelo menos cinqüenta vezes de roupa, voz e peruca

Scapin, que já trabalhou com a atriz na peça Palmas Para o Senhor Diretor, não sentiu dificuldade em lidar com o ritmo rigoroso que Marília mantém nos bastidores. "Acho que ela tenta passar esse aprimoramento, essa exigência que ela tem com ela mesma, para a gente", analisa ele. Acostumado com pausas para o cafezinho e bate-papos empolgados, Médici teve muito tato para contornar o jeito regrado da diretora. "Às vezes ela embarcava na minha. Outras, ela chegava e falava: 'Gente, não quero chegar aqui e ficar batendo papo." Aí eu ficava dois dias quietinho e no terceiro já chegava puxando conversa de novo", conta. Apesar do pulso firme, Marília tem momentos de descontração. Certa vez, quando viu Médici em meio a lanches rápidos, como hambúrgueres e refrigerante, ela, que hoje é dona de uma alimentação saudável, lembrou que na época em que saía do espetáculo com Marco Nanini ia tomar conhaque e comer torresmo. Marcelo, que imita perfeitamente a voz de Marília, inclusive no palco da peça Terça Insana, ficou com vergonha de fazer essa graça para a diretora. "Um dia fui ao Programa do Jô e ela acabou vendo a imitação", conta o humorista. "Minha voz não é nada assim", defendeuse a atriz e diretora, no dia seguinte, em tom de brincadeira.

FOTOS ROGÉRIO ALBUQUERQUE/AG.ISTOÉ
Ajustes no figurino de Médici

NAS COXIAS DA PEÇA O MISTÉRIO DE IRMA VAP, OS ATORES CÁSSIO SCAPIN E MARCELO MÉDICI CONTAM COMO ENCARAM AS EXAUSTIVAS TROCAS DE FIGURINO DOS OITO PERSONAGENS E FALAM DA RELAÇÃO COM A DIRETORA MARÍLIA PÊRA

Além de uma rotina puxada de ensaios, Marília quis englobar um de seus maiores hobbies para ajudar no pique dos rapazes: o balé clássico. Scapin, adepto da modalidade há anos, adorou a idéia de praticar com a atriz. "Marília é CDF, faz aulas todos os dias", conta o ator, que até chegou a fazer um perfeito pas de deux com a diretora da peça. Já Marcelo tentou duas aulas de balé, mas reconhece que não tem o mesmo talento dos companheiros nas sapatilhas. Só nas sapatilhas.

''Estou metendo o pé na jaca,como um bolo inteiro de chocolate e açaí antes da peça''
MARCELO MÉDICI, QUE PERDEU CINCO QUILOS COM A CORRERIA DO ESPETÁCULO

FOTOS ROGÉRIO ALBUQUERQUE/AG.ISTOÉ
Pausa de Scapin para colocar a conversa em dia. Abaixo, tem ajuda para colocar o xale de uma das personagens
FOTOS ROGÉRIO ALBUQUERQUE/AG.ISTOÉ

Copyright © 2008 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS