- Anuncie
- Assine

 
 
 
Cinema // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 







As Duas Faces da Lei
Al Pacino e Roberto de Niro protagonizam filme que discute os limites da Justiça

DIVULGAÇÃO
Os dois astros são parceiros policiais que investigam um serial killer

O THRILLER POLICIAL As Duas Faces da Lei marca de fato a primeira parceria cinematográfica entre dois dos maiores atores vivos de Hollywood, Robert de Niro e Al Pacino. Muito se alardeou sobre a suposta primeira vez em que contracenaram, no ótimo drama policial Fogo contra Fogo (1995), de Michael Mann. A cena conjunta, porém, era curta, e foi construída em planos e contraplanos, o que possibilitaria o fato de os atores nem estarem realmente de frente um para o outro. Já no novo trabalho do diretor Jon Avnet (de Tomates Verdes Fritos), a dupla está próxima e em cena quase o tempo todo, como parceiros policiais.

O filme é narrado pelo personagem de De Niro, Turk, que em depoimento a uma câmera reconstrói um recente e complicado caso de Nova York. Havia um serial killer à solta que eliminava com perfeitos tiros à queima-roupa apenas pessoas culpadas que escaparam ilesas da Justiça. Todos os indícios apontavam para um policial. Turk investigou o caso, ao lado de seu parceiro de mais de 30 anos, Rooster (Pacino). Mas essa dupla também foi observada de perto por outros dois membros da corporação, interpretados por John Leguizamo (Simon) e Donnie Wahlberg (Ted), que deles suspeitavam. Fecha o quadro de desconforto geral a oficial personificada por Carla Gugino (da série Pequenos Espiões), que já foi namorada de Simon e hoje está com Turk.

O roteiro de Russell Gewirtz (que escreveu O Plano Perfeito, de Spike Lee) coloca em xeque uma delicada questão ética sobre justiça com as próprias mãos. Gewirtz explora o tema como um quebra-cabeça e carregando na tensão e no suspense. É um filme sombrio, por vezes desagradável, mas que mantém seu interesse pelo inegável apelo de reunir De Niro e Pacino. A química entre ambos é evidente. Mesmo com a direção burocrática e pesada de Avnet, a fita justifica-se como entretenimento. (14 anos) Christian Petermann


Copyright © 2008 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS