Capa • Home• Revista 25/3/2008
O poder de Marjorie
Depois de engolir em silêncio as críticas por sua atuação como protagonista em Duas Caras, a atriz conta que deu a volta por cima, fala do namorado, o músico André Aquino, e diz que casamento na igreja não faz parte dos seus planos

TEXTO CAMILLA GABRIELLA E MACEDO RODRIGUES FOTOS ALEXANDRE SANT'ANNA/ AG.ISTOÉ

Envie esta matéria para um amigo
A atriz diz que o começo difícil teve um lado positivo. “Foi bom para eu aprender a lidar com isso. É apenas meu terceiro trabalho na televisão e, pelo meu desejo, pretendo fazer muitos outros”

Desde o início promissor em Malhação, que lhe valeu a passagem para o horário nobre, na pele de Marina, em Páginas da Vida, Marjorie Estiano só havia recebido elogios por suas atuações. Quando foi chamada para viver a protagonista da novela Duas Caras, todas as atenções se voltaram para a atriz. A responsabilidade aumentara, as expectativas também, mas Marjorie não correspondeu e foi alvo de uma série de críticas por seu desempenho no início da trama. Para a surpresa geral, porém, ela era a imagem da autoconfiança. Naquela época, em diversas oportunidades, dizia que não se deixava levar por reprovações ou aplausos ao seu trabalho. O que pouca gente sabia, porém, era que, enquanto fazia o tipo “estou nem aí”, Marjorie estava abalada, testando os limites de sua fragilidade. “Achei que fosse mais segura em relação a isso, mas as críticas negativas no começo da novela me abalaram. Perdi um pouco a estrutura. Me perguntava a todo instante se não estava fazendo a coisa errada”, relembra, agora mais tranqüila, depois de ser elogiada por sua atuação com o decorrer do folhetim. “É muito difícil lidar com críticas, ver o julgamento do seu trabalho de uma forma tão exposta”, avalia.

“Se um dia resolvermos nos casar, não vai haver cerimônia.Vamos simplesmente morar juntos, mas em quartos separados. Acho bom conservar uma certa independência”

Coincidência ou não, o espaço de Marjorie na trama foi reduzido, mas ela não acredita que isso tenha relação com as críticas. “Realmente, o espaço na novela ficou mais dividido. Mas acho que a Maria Paula (sua personagem) continua conduzindo a trama central da história, o núcleo do qual surgem todos os outros. Você não identifica um protagonista pelo espaço que lhe dão, mas por sua posição na história”, afirma, conseguindo até mesmo ver o lado positivo de ter sido tão criticada. “Foi bom para eu aprender a lidar com isso, porque esse é apenas o meu terceiro trabalho na televisão e, pelo meu desejo, pretendo fazer muitos outros. Ainda vou estar sujeita a muita coisa”, diz.

A obstinação profissional é um dos traços marcantes da atriz e cantora Marjorie Estiano, de 25 anos. Aos 18, ela deixava os pais em Curitiba para estudar teatro em São Paulo e nunca mais voltou para casa. Distante da família e sem ter a quem dar satisfações no apartamento que dividia com uma amiga catarinense, ela jamais se deixou seduzir pelas baladas da noite paulistana. “Dei meu primeiro beijo na boca aos 20 anos. Não tinha muito interesse nisso. Enquanto minhas amigas estavam contando quantos caras beijaram na noite, eu preferia ficar em casa, no meu quarto, focada no meu trabalho, estudando, ouvindo música, cantando. Eu não tinha pressa, nem necessidade de beijar.”

Reservada, Marjorie fica desconfortável se lhe perguntam sobre a perda da virgindade. “Vou te dar uma chance para mudar de pergunta. Não vai mudar? Então pula esta que eu não falo sobre isso”, diz, entre encabulada e decidida. Mais adiante, porém, admite que sua primeira vez foi com o rapaz do primeiro beijo, com o qual teve ainda o seu primeiro relacionamento sério, um namoro de seis meses de duração. De lá para cá, ela só viria a ter mais um namorado, o atual, o músico André Aquino, com quem está há três anos.

“Bebi, bebi, bebi e nada. Perguntava para os meus amigos:‘Gente, quando vai acontecer isso?”
Marjorie, sobre seu primeiro porre

André é também o guitarrista da banda que acompanha Marjorie. E é aí que mora o problema: a convivência profissional do casal não é um mar de rosas. “É muito difícil. Ele tem uma postura muito rígida e a gente sempre batia de frente por causa disso. E quando havia desgaste na relação profissional, a gente ficava arranhado também na relação pessoal”, comenta, acrescentando que agora os dois têm evitado discutir assuntos sobre os quais já sabem que não concordam. “Mas ainda estamos descobrindo uma forma de lidar com essa coisa de trabalhar junto, que é bem difícil. Principalmente pelo fato de a gente se ver muito, o tempo todo.”

Talvez por isso, os dois não pensem em casamento. Marjorie garante que André não é seu “namorido”( namorado e marido). “É só namorado mesmo, porque morar junto seria demais. A gente já trabalha junto, então está bom, né?” (risos). E, moderna, dispara: “Se um dia resolvermos nos casar, não vai haver cerimônia. Vamos simplesmente morar juntos, mas em quartos separados. É melhor conservar uma certa independência.”

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>