Esporte • Home• Revista 24/3/2008
A missão do menino de ouro
Thiago Pereira vai para a segunda olimpíada com um adversário para vencer: ele mesmo

TEXTO GABRIELA PESTANA
FOTO SATIRO SODRE/ DIVULGAÇÃO CBDA


Envie esta matéria para um amigo
"Em Pequim eu serei meu maior adversário, preciso me superar mais uma vez", diz o atleta

Aos 22 anos, Thiago Pereira é um fenômeno da natação. Não é tão alto e nem tem braços tão grandes como os ídolos Gustavo Borges ou Fernando Scherer, mas possui um grande diferencial: as pernas. Elas são ligeiramente curvadas para trás o que permite que seus pés se estiquem, como os de uma bailarina, e produzam uma batida na água mais potente. A vantagem é que Thiago, ao nadar, poupa os braços. Foi essa característica que ajudou o medalhista a dominar a técnica que fez dele um atleta nascido para a modalidade medley (borboleta, costas, peito e crawl). Sua estréia na água, porém, não foi das melhores. Aos dois anos, o nadador afogou-se na piscina do sítio da família em Volta Redonda, no Rio, e foi salvo pelo primo. No dia seguinte ao episódio, para evitar o trauma, já estava em uma escola de natação. "Às vésperas de completar 12 anos, comecei na equipe de natação do Clube dos Funcionários em Volta Redonda", conta.

O sucesso trouxe a inevitável comparação com o americano Michael Phelps, recordista na categoria e considerado o maior nadador dos últimos tempos. E não era por menos, Thiago fez o Brasil ficar entre os melhores do mundo na modalidade.

Além disso, despontou como revelação em 2003 e conquistou o quinto lugar na Olimpíada de Atenas em 2004. Sua melhor temporada foi em 2007. Nos Jogos Panamericanos, no Rio, conquistou oito medalhas e tornou-se o maior ganhador individual da história dos Jogos. No mesmo ano, classificouse para a Olimpíada de Pequim ao levar o ouro na prova dos 200m peito do Troféu Maria Lenk. Thiago bateu o recorde sul-americano e superou sua própria marca.

O melhor atleta olímpico do País em 2007, iniciou 2008 com fome de novas conquistas, principalmente nos Jogos de Pequim em agosto, quando enfrentará o americano Phelps. "Em Pequim eu serei meu maior adversário, preciso me superar mais uma vez", disse. O atleta dedica cinco horas por dia entre treinos na piscina e musculação.