Teatro • Home• Revista 17/3/2008
DRAMA
Quartett
Peça traz Beth Goulart e Guilherme Leme em um jogo de intrigas emocionais e sexuais

Aina Pinto

Fotos: DIVULGAÇÃO
Atores se desdobram em vários personagens

EM LIGAÇÕES PERIGOSAS, de Choderlos de Laclos, a história da marquesa de Merteuil e do visconde de Valmont se passa no final do século 18, em Paris. Em Quartett, a peça de Heiner Müller baseada no livro, a mesma trama se ambienta em qualquer tempo, em qualquer grande cidade, mostrando que liberdade de comportamento ainda pode chocar.

A versão brasileira do espetáculo traz Beth Goulart e Guilherme Leme nos papéis principais. Beth, em interpretações vigorosas, além da provocadora e manipuladora marquesa, é também a ingênua Cécile e mesmo Valmont. Leme é o visconde nos embates com Merteuil e Cécile, mas se transforma ainda na delicada madame de Tourvel.

A iluminação ajuda a mostrar ao público quem são os personagens em cena, porque não há os artifícios das mudanças de cenários e das trocas de figurinos - que, aliás, lembram peças de Jean Paul Gaultier dos anos 80. Mas são os atores os responsáveis por tornar críveis as mudanças de personalidade. E eles fazem isso muito bem.

Na montagem, falta tempo apenas para que o envolvimento emocional do visconde com Tourvel seja mais que uma mera provocação à marquesa, e isso diminui um pouco o impacto do enredo, que já foi contado no cinema, mais recentemente, por Stephen Frears. A trilha sonora também não tem brilho. A idéia de mesclar música erudita a guitarras pode até sugerir que desde o século 18 até hoje uma história como essa é possível. O problema é que lembra aqueles grupos chatinhos do chamado metal melódico.

CCBB - r. Álvares Penteado, 112,
São Paulo, tel. (11) 3113-3651. Até 20/04.

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia