Esporte • Home• Revista 17/3/2008
Promessa no remo
A catarinense Fabiana Beltrame se prepara para trazer de Pequim a primeira medalha feminina na modalidade

TEXTO GABRIELA PESTANA FOTO ALEXANDRE SANT'ANNA

Envie esta matéria para um amigo
Vaidosa, a remadora não dispensa o batom nem mesmo nos dias de treino pesado, quando acorda às 5h15

De segunda a sábado, faça chuva ou faça sol, a catarinense Fabiana Beltrame, de 25 anos, pula da cama às 5h15 para remar 32 quilômetros na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio. Única mulher brasileira a disputar na modalidade single skiff feminino aberto na Olimpíada de Pequim, em agosto, a atleta sabe que todo esforço é pouco para trazer a sonhada medalha de ouro da capital chinesa. Fabiana, que já participou dos Jogos Olímpicos de 2004 e dos Jogos Pan- Americanos, no Rio, quer dar ao País a primeira medalha feminina na modalidade. “Vou mais experiente para Pequim e espero tirar proveito disso”, conta. Ela já deu prova de seu potencial na classificação para Pequim, em novembro, quando desbancou de uma só vez as atletas de Cuba, da Argentina e de El Salvador, as três medalhistas dos últimos Jogos Pan-Americanos.

Batom e cumplicidade
O esporte, praticado predominantemente por homens, não compromete a feminilidade da atleta. Com pernas e braços bem torneados, Fabiana é uma mulher linda e vaidosa, que só sai de casa com batom nos lábios. A rotina de exercícios é pesada. Além das longas distâncias remando, ela é submetida a treinos de musculação no Clube de Regatas Vasco da Gama. “Não é fácil, mas a recompensa vem depois”, diz, confiante.

A folga aos domingos é recheada de pequenos prazeres. Entre os programas preferidos, Fabiana adora ir ao cinema com o também remador, Gibran Cunha, seu namorado há três anos e que, como ela, nasceu em Florianópolis. “Ele foi um dos responsáveis pela minha vinda ao Rio, para treinar no Vasco. Ficamos muito próximos porque treinamos o mesmo esporte, ele me entende, somos cúmplices”, conta.

Ao remador e à cadela schnauzer Bel, cabe a tarefa de aliviar a saudade da família que ficou no Sul. Companhia constante da atleta, Bel assistiu atenta à regata pré-olímpica no colo dos amigos da dona e foi uma das primeiras a ser abraçadas, quando Fabiana soube de sua classificação para Pequim. Depois do beijo no namorado, claro.