Especial • Home• Revista 10/3/2008
DIA DA MULHER
Ellen Gracie
Discreta e austera, a juíza federal carioca impõe seu estilo firme e ponderado ao comandar o supremo tribunal federal

FELIPE BARRA/ AG.ISTOÉ
“Prefiro ser tratada por presidente e não presidenta”
Ivete Sangalo
Dilma Rousseff
Ana Maria Braga
Silvia Lagnado
Eliana Tranchesi
Gisele Bündchen
Solange Vieira
Chieko Aoki
Viviane Senna

Ellen Gracie Northfleet é uma mulher discreta, austera e, sobretudo, organizada no comando de um dos poderes da República. Aos 59 anos, ela é a atual presidente do Supremo Tribunal Federal, o STF, instância máxima do Judiciário brasileiro, e a primeira mulher a sentar na presidência da Suprema Corte. Por isso começou a ocupar o imaginário popular, em especial das mulheres. “Prefiro ser tratada por presidente, não por presidenta”, vai logo avisando a quem lhe perguntar. “Presidente é mais leve.” Está há dois anos no posto, impondo um estilo de comando firme – mas ponderado. “A Ellen é uma Caxias”, costuma brincar Nelson Jobim, atual ministro da Justiça e ex-presidente do Supremo.

Nascida no Rio, filha única de um oficial da Aeronáutica, Ellen Gracie fez carreira como juíza federal no Rio Grande do Sul. Está divorciada há uma década e é mãe de Clara, 27 anos, advogada. Não freqüenta cabeleireiros, usa maquiagem leve e está sempre de terninhos claros, feitos sob medida por uma costureira gaúcha. Sua única extravagância conhecida foi mandar fazer uma reforma de R$ 133 mil em seu apartamento funcional. Só a banheira de hidromassagem custou R$ 3,3 mil. “É claro que eu vou colocar uma banheira lá”, disse, na ocasião. “E tem que ser paga com dinheiro público sim, pois está em um imóvel público”.

Ellen não impressiona os colegas pela criatividade jurídica nem pela ousadia social. Mas pela organização, pela dedicação aos estudos e pela firmeza nas posições. Hoje, com o apoio de seu vice, Gilmar Mendes, ela começou a promover profundas reformas no Judiciário. Por isso Ellen Gracie Northfleet chegou lá.
(HUGO STUDART)