Exposição • Home• Revista 10/3/2008
ARTE BRASILEIRA
Estratégias para Entrar e Sair da Modernidade: Arte no Brasil 1911-1980 na Coleção Itaú
Exposição no MASP identifica diferentes fases e manifestações da arte moderna

Envie esta matéria para um amigo
Fotos: DIVULGAÇÃO
"Retrato de Luís Martins", de Tarsila do Amaral

"O MODERNO não é um, são vários." A partir dessa concepção, o curador Teixeira Coelho dividiu a coleção de arte moderna do Banco Itaú em oito temas. O primeiro deles, no entanto - o moderno clássico -, é um paradoxo, senão um contra-senso, já que o modernismo é reconhecido justamente por sua busca de renovação formal diante do classicismo. Na mais antiga tela da exposição, a pré-modernista "A Pequena Aldeã" (1911), de Lasar Segall, ou nos trabalhadores rurais pintados por Candido Portinari, no final da década de 1930, e nas esculturas de Victor Brecheret dos anos 30 e 40, não há sombra da inquietação que levou Anita Malfatti a romper com a verossimilhança da representação clássica, em 1917. Estratégias para Entrar e Sair da Modernidade mostra os muitos outros modernismos que existiram além da Semana de 22 e do Manifesto Antropofágico.

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia

A exposição argumenta que a modernidade está tanto nas plácidas paisagens pintadas pelos paulistanos do Grupo Santa Helena quanto na arrojada escultura surrealista de Maria Martins e na abstração geométrica de Hélio Oiticica. A mostra conta com bons momentos do despontar da abstração geométrica no Brasil: os carretéis de Iberê Camargo e as bandeirinhas de Volpi foram as chaves de acesso ao abstracionismo, além das "Fotoformas" de Geraldo de Barros e da tela "As Bailarinas" (1950), de Samson Flexor.

Segundo o recorte do curador, o modernismo se esgota na ironia da arte de Rubens Gerchman e na guinada conceitual de Cildo Meirelles e de Regina Silveira, autora da última obra da exposição, um off-set da série "Anamorfas", de 1980. O experimentalismo com novas mídias simboliza um novo capítulo que se abriria na arte brasileira: o pós-modernismo, ou a contemporaneidade. Paula Alzugaray

"As Bailarinas", de Samson Flexor

MASP - Av. Paulista, 1578 - (11) 3251 5644. Até 18/5.