Televisão • Home• Revista 26/2/2008
Capadócia
Penitenciária feminina é cenário da nova série produzida na América Latina

Marina Monzillo

Envie esta matéria para um amigo
Fotos: DIVULGAÇÃO
Lorena Guerra (Ana de La Reguera) é uma dona-de-casa que vai parar na prisão

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia

Nem só de novelas estilo dramalhão vive a produção televisiva no México. Apoiandose na experiência que possui no cinema, a produtora mexicana Argos criou a ágil e forte Capadócia, minissérie que estréia domingo, 2 de março, às 22h, no canal HBO.

Na ficção, Capadócia é o nome de uma prisão feminina privatizada, fundada a partir de interesses de políticos corruptos e empresários inescrupulosos, e onde se desenvolvem três histórias paralelas em meio ao cotidiano violento das detentas.

A primeira temporada tem 13 episódios de uma hora de duração cada e foi filmada em película 16mm. O padrão de qualidade é altíssimo e confirma que esta é a mais cara das quatro séries de ficção latino-americanas financiadas pela HBO até agora. Antes de Capadócia, foram geradas a argentina Epitáfios (que teve sua segunda temporada anunciada), além das brasileiras, Mandrake e Filhos do Carnaval.

Entre os protagonistas está Lorena Guerra (Ana de La Reguera), esposa e mãe exemplar, que vê seu lado mais obscuro aflorar quando sua vida de propaganda de margarina se desmantela, e ela vai parar atrás das grades.

Em outro núcleo, Teresa Lagos (Dolores Heredia) é uma advogada humanitária, especializada em direito penintenciário, que entra em conflito com o ambicioso Federico Márquez (Juan Manuel Bernal), que quer usar o presídio para camuflar suas atividades com o narcotráfico.