Cinema • Home• Revista 19/2/2008
Senhores do Crime
Novo filme de David Cronenberg tem uma estrutura narrativa semelhante a Marcas da Violência

Envie esta matéria para um amigo

DRAMA

Senhores do Crime: máfia russa e violência

ESTRELAS:

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia

UM NOVO FILME de David Cronenberg sempre desperta a atenção dos cinéfilos, especialmente depois do sucesso do anterior, Marcas da Violência. Não é exagero dizer que Senhores do Crime está à altura das melhores expectativas. Naomi Watts faz uma obstetra que socorre uma garota que morre no parto, num hospital da Inglaterra. Na tentativa de encontrar o pai do bebê, ela acaba envolvendo-se com um braço da máfia russa.

O filme tem uma estrutura narrativa semelhante à de Marcas da Violência, tanto na questão das conseqüências de um passado violento quanto pelo roteiro inteligente, que vai habilmente colocando os personagens uns contra os outros. A certa altura, um deles transforma- se de maneira parecida.

A semelhança é reforçada pela presença de Viggo Mortensen num dos papéis principais.

Cronenberg é um autor na acepção da palavra e desde o início mostra que não está no cinema para concessões. A forma violenta com que as mortes são filmadas – sua marca registrada – incomoda quem tem estômago fraco. Ao mesmo tempo há espaço para um fino senso de humor no registro do choque cultural enfrentado pelos estrangeiros, sejam eles criminosos ou cidadãos de bem.

Mestre na movimentação de câmera, o diretor retrata Londres de forma sombria. Sua cuidadosa preocupação com detalhes resulta num filme tenso e envolvente, com um interessante enfoque da estruturação das relações familiares. Marcelo Lyra