Cinema • Home• Revista 19/2/2008
Na Natureza Selvagem
O quarto filme de Sean Penn como diretor, sobre uma jornada ao Alasca, tem duas indicações ao Oscar

Envie esta matéria para um amigo

AVENTURA

Fotos: DIVULGAÇÃO
Emile Hirsch interpreta com paixão o aventureiro McCandless

ESTRELAS:

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia

O ATOR Sean Penn é também um excelente diretor. Desde sua estréia, com Irmãos de Sangue (1991), passando pelos admiráveis Acerto Final (1995) e A Promessa (2001), Penn pratica um cinema viril e americano, apoiado nas relações humanas e em grandes atuações. O cineasta alcança agora maior visibilidade com o quarto longa, Na Natureza Selvagem, no qual ele transporta às telas o cultuado livro homônimo de Jon Krakauer, que conta a saga de Christopher McCandless, um jovem que, em 1990, abdicou de todos os bens, criou uma nova identidade e empreendeu uma jornada solitária até o Alasca.

Interpretado com paixão por Emile Hirsch (Show de Vizinha), McCandless personificou a autêntica busca do espírito de liberdade. Pela força natural da premissa, foi acertada a escolha de Eddie Vedder, líder do Pearl Jam, para compor belas e simples canções folk para a trilha. Mas, enquanto seu protagonista busca a placidez, Penn erra ao poluir o filme de maneirismos diversos. A distração ganha força indevida por causa da boa montagem de Jay Cassidy (indicada ao Oscar).

No ótimo elenco de suporte, há ao final a presença do veterano Hal Holbrook, indicado à estatueta de ator coadjuvante. Ele sintetiza com simplicidade a essência masculina que Penn busca como diretor, mas que aqui escondeu sob dispensáveis efeitos. Christian Petermann