Perfil • Home• Revista 12/2/2008
Sensualidade à prova de BUDA
Chef da filial brasileira do lendário Buddha bar, bel coelho diz que já recebeu cantada de clientes e que ser bonita ajudou na hora de ganhar o posto

TEXTO JULIANA BIANCHI FOTOS MARCELO FONTES/ AG. ISTOÉ

Bel em um dos ambientes do Budha Bar: ela diz que sentiu mais dificuldade para se impor devido à pouca idade

Sensualidade e comida sempre andaram juntas. Que o digam Adão e Eva ou Bel Coelho, a chef de cozinha da primeira filial brasileira do badalado Buddha Bar, de Paris. Localizado dentro da Daslu, o mais novo local para ver e ser visto de São Paulo tem na chef seu cartão de visitas. Aos 28 anos ela é, sem dúvida, uma das cozinheiras mais belas e talentosas do País. Eleita chef revelação de 2004 pela revista Veja São Paulo, ela já comandou seu próprio restaurante, o Sabuji, fez estágio no prestigiado espanhol Celler de can Roca (duas estrelas do Guia Michelin) e deu consultoria gastronômica no Exterior.

Como se as habilidades entre as panelas não bastassem para conquistar uma legião de fãs, Bel ainda tirou o fôlego de muito marmanjo - entre eles, clientes e funcionários - ao posar nua para uma revista. "Nunca tinha pensado nisso, até porque não me achava bonita. Mas acabou sendo muito legal." Mesmo depois da ousadia, ela conseguiu manter o respeito na cozinha e no salão. "Às vezes, sinto um olhar diferente, mas, como não dou bola, fica só nisso. Tive mais problemas com a idade", diz ela, que começou a cozinhar profissionalmente aos 22 anos, depois de se formar no Culinary Institute of America, em Nova York.

A postura séria até ajuda, mas não afasta de vez os mais apaixonados. Cantadas do tipo "você devia estar cozinhando lá em casa" e "quero uma mulher assim para casar" não são raras na vida da chef. Até flores e um cartão mais ousado ela já recebeu após um jantar perfeito. "A profissão já é sedutora, tem uma certa mística. Mas seria ingenuidade achar que ser bonita não me ajudou a ser contratada em uma casa como essa", confessa.

"Seria ingenuidade achar que ser bonita não me ajudou a ser contratada "
BEL COELHO
Mesmo sem querer ser sexy, a chef do Budha garante que a própria profissão já reserva sua dose de sensualidade

À frente de uma equipe de 18 cozinheiros - apenas quatro deles do sexo feminino -, Bel joga com sua delicadeza e conhecimento culinário para criar pratos leves e surpreendentes, como o namorado no vapor com missô e legumes, ou o salmão grelhado com quinua e curry. "Gosto de pensar não só no sabor, mas no bem-estar que aquela combinação vai trazer. Um bom prato tem que alimentar também a alma", afirma. A ligação da chef com a comida é tanta que ela prefere ficar em jejum a comer mal. "Se insisto acabo ficando de mau humor."

Nem mesmo quando o assunto é namorado ela suaviza a regra. "Se souber mesmo cozinhar até dá certo, senão é melhor ficar nas coisas simples como o café da manhã na cama ou uma massinha." Entretanto, ela dá a dica para quem quer apostar nessa arma para agarrar de vez um pretendente. "Deixe ele te ver cozinhando. Isso sempre impressiona", garante ela, com conhecimento de causa.