Televisão • Home• Revista 12/2/2008
Ping-Pong Regiane Alves
Mocinha boa de briga
Protagonista de Beleza Pura, Regiane Alves diz que sua personagem, a dermatologista Joana, não é de ficar chorando pelos cantos

Envie esta matéria para um amigo
Regiane Alves freqüentou uma clínica para entender a profissão de dermatologista

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia

É a sua primeira protagonista?
É na Globo. Eu havia sido protagonista em 1998, no SBT, quando fiz Fascinação. Agora, essa personagem chegou em boa hora, depois de oito anos na emissora. Ela é a mocinha, mas não é de ficar chorando. Foi abandonada em um orfanato e fez o que pôde para tentar encontrar a mãe. É batalhadora, boa de briga, como o povo brasileiro. Acredito que o público vai se identificar com a vontade dela de lutar pelo que quer.

Com tem sido o trabalho com Edson Celulari?
É uma honra contracenar com ele. O Edson fez parte da minha adolescência, era fã dele. Ele começa a história gostando da personagem da Christiane Torloni, que é mãe da Joana. É ótimo trabalhar com os dois.

O romance deles vai ter problemas por causa da diferença de idade?
Eles vão ter problemas, mas não será por causa disso. Aliás, essa história é relativa. Há pessoas de 40 anos que parecem muito velhas e outras, superjovens. Meu pai, por exemplo, tem 60 anos e está bem, tem a barriga definida, é jovem.

Joana é dermatologista, trabalha com beleza. Você é vaidosa?
A minha vaidade é até baixa. Costumo fazer massagem e não tomo sol. Não fiz plásticas, porque está tudo bem ainda. Depois, eu vou pensar. Para essa personagem, tive de emagrecer um pouco e freqüentei uma clínica de dermatologia para entender a profissão. Mas mesmo a Joana, que trabalha com beleza, não é extremamente vaidosa. (A.P.)