Reportagens • Home• Revista 15/1/2008
reality show
Polêmica no Big Brother Brasil
O médico Marcelo Arantes surpreende até a família ao se revelar homossexual e omite, no ato de inscrição, que ainda não possui registro de psiquiatra

TEXTO FÁBIO TORRES

 Envie esta matéria para um amigo
DIVULGAÇÃO
O participante Marcelo Arantes revela sua opção sexual em rede nacional

A oitava edição do Big Brother Brasil começou há pouco dias e já está provocando polêmica. Na tarde de sexta-feira 11, o médico Marcelo Arantes revelou, em uma conversa com a sister Thalita Lippi, que é homossexual. Na madrugada do mesmo dia, ele já havia manifestado sua preferência sexual no blog que mantém na casa: “Então todos sabem agora, sem disse-medisse. Não foi fácil, mas as coisas não acontecem por acaso, e talvez essa fosse minha maior missão aqui na Terra, então tentarei cumpri-la da maneira mais honesta possível. Sei que muitos me condenarão por estar me expondo assim, mas não temo algo que me é tão natural. Deus me fez assim, e me orgulho.”

A notícia pegou de surpresa seus familiares, que nunca desconfiaram da opção sexual. “Se ele for gay, será novidade”, disse o pai, Neylson Arantes, salientando que o filho nunca foi de namorar e tampouco falava de casamento. Após o anúncio em rede nacional, o irmão, Marcos Arantes, garantiu que a família não deixará de apoiar o mineiro. “Minha família é civilizada. Não temos nenhum problema com a homossexualidade”, garantiu. No entanto, a preferência sexual já era de conhecimento do diretor-geral do programa, Boninho, a quem Marcelo a havia revelado durante a última etapa do processo de seleção do reality show.

Psiquiatra aspirante
Se não bastasse o alvoroço em torno de sua sexualidade, Marcelo, que declarou ser psiquiatra no ato de inscrição do programa, ainda omitiu um importante aspecto da carreira profissional que escolheu. A Associação Brasileira de Psiquiatria divulgou nota afirmando que o médico ainda não possui título de psiquiatria, sendo considerado pela instituição apenas um médico “aspirante” pelo fato de ainda não ter se submetido às provas obrigatórias para que seja considerado, de fato, um psiquiatra.