Música • Home• Revista 8/1/2008
América Brasil - O Disco
Talento de Seu Jorge parece ter se esgotado em seu primeiro disco

Envie esta matéria para um amigo

MPB

Seu Jorge investe em repertório com grooves dançantes e letras cheias de clichês

ESTRELAS:

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia

QUANDO DESPONTOU em carreira solo em 2001, com o CD Samba Esporte Fino, Seu Jorge foi saudado com razão como um dos artistas mais promissores da música brasileira. Vindo do grupo Farofa Carioca, Jorge revigorava o velho samba-rock com suingue moderno. Boa parte do encanto se desfez em Cru (2004), no controvertido registro de show com Ana Carolina (Ana & Jorge, 2005) e, sobretudo, no equivocado projeto de covers de David Bowie (The Life Aquatic with Steve Zissou, 2005). O panorama desanimador não se altera com a edição de América Brasil - O Disco, cuja faixa "Trabalhador" vem sendo propagada nacionalmente na trilha da novela Duas Caras.

O trabalho é caracterizado pelo próprio Jorge como um disco doméstico, feito para tocar em churrasco. Definições à parte, o artista investe em repertório formatado com grooves dançantes. Essa sonoridade molda faixas como "América do Norte" e "Burguesinha". Jorge ratifica seu suingue sem reeditar o brilho de sua estréia. Para piorar, suas letras são rasas. Ele abusa dos clichês para falar da vida dura dos trabalhadores e da falta de dinheiro. América Brasil jamais consegue realmente seduzir o ouvinte. Talvez, seu destino seja mesmo ser a trilha de fundo de um churrasco. (M.F.)