Livros • Home• Revista 2/1/2008
Era no Tempo do Rei
Ruy Castro mistura realidade e ficção para narrar a infância de D. Pedro I

Aina Pinto

Envie esta matéria para um amigo
Autor usa personagens e lugares reais como pano de fundo das aventuras do pequeno Pedro

RUY CASTRO situa Era no Tempo do Rei (Alfaguara, 248 págs., R$ 36,90) em 1810, dois anos após a chegada da Família Real portuguesa ao Brasil. Os locais onde se passam as ações existiram de fato, como prova o apêndice final com os nomes atuais das ruas citadas na trama. A maioria dos personagens, por mais irreais que pareçam, como a prostituta Bárbara dos Prazeres e o padre Perereca, também existiram. Esse rigor histórico do Ruy Castro, autor de biografias como as de Nelson Rodrigues e Carmen Miranda, só faz deixar a ficção ainda mais sedutora.

Os protagonistas são Pedro, o príncipe herdeiro de D. João VI, e Leonardo, um menino de rua protagonista de um outro livro, Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antônio de Almeida. Os dois, então com 12 anos, conhecem-se em pleno Carnaval carioca, quando Pedro foge depois de aprontar uma das suas com o comerciante inglês Jeremy Blood.

Parceiros nas molecagens, rodam a cidade aprontando e angariando gente disposta a punir suas aventuras. A infância livre do futuro monarca e do personagem de ficção tem como pano de fundo as lutas pelo poder no Brasil e em Portugal. Carlota Joaquina é uma personagem importante nessas “histórias paralelas”, que não são estanques e não quebram o ritmo alucinante imposto pelos moleques. Tudo com um texto saboroso e irônico que conduz a um passeio pelo Rio de Janeiro do tempo do rei.

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia