Quem vai brilhar em 2008 • Home• Revista 2/1/2008
Ney Matogrosso
Cantor lança cd e dvd inclassificáveis, com repertório de novos compositores e canções inéditas em sua voz

Aina Pinto

FABIANO CERCHIARI/AG.ISTOÉ"É com esse projeto que eu vou bater asas por aí”, diz Ney Matogrosso, sorrindo, ao falar que pretende dedicar- se apenas a um trabalho este ano, ao contrário do que vinha fazendo anteriormente, com dois espetáculos diferentes ao mesmo tempo, além de vários projetos especiais. “Não parece, mas eu fico cansado. É que não dou bandeira”, conta. Foi em um desses projetos, junto com Los Hermanos, que ele cantou pela primeira vez “Veja Bem, Meu Bem”, uma das músicas de Inclassificáveis, nome de seus próximos CD e DVD.

No fim do ano passado, o cantor, de 66 anos, fez uma espécie de teste, apresentando o trabalho em show com repertório quase todo inédito em sua voz e uma banda de jovens músicos, incluindo um DJ. “O show tem um traço comum que fica claro em ‘O Tempo Não Pára’, ‘Mal Necessário’, ‘Ode aos Ratos’, ‘Divino Maravilhoso’”, enumera. “Não falo apenas do Brasil, mas do mundo, dessa situação de emergência em todos os sentidos.”

Ney não nutre grandes expectativas em relação a vendagens ou críticas. “Só uma coisa me interessa: a reação do público. É isso que me move”, diz. E a reação, nos primeiros shows, foi receptiva, mesmo com repertório desconhecido. Talvez porque uma das coisas que faz com que se preste atenção nas canções é a vitalidade física e vocal do cantor. “Eu ainda a tenho e algum dia deixarei de ter. Vamos ser realistas”, diz. “Mas eu não economizo nada. Faço ginástica todos os dias, mas não fico me preparando. Chego, troco a minha roupa e entro em cena. Eu vou e me jogo.”