CAPA
 ÍNDICE
 Exclusivo Online
 MULTIMÍDIA
 SEÇÕES
 REPORTAGENS
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO
  SECULO
 EXCLUSIVAS
 INTERNACIONAIS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA


Perfil

Ricardo Soares emplaca ‘salsicha’ em festival

Divulgação
O vencedor Ricardo Soares

Cristian Avello Cancino

Além de ter produzido a chuva de balões de gás que caiu sobre o público do Credicard Hall no encerramento do Festival da Música Brasileira, sábado 16, a Globo também foi responsável pela criação da banda do vencedor do concurso, Ricardo Soares, 33 anos. “Foi o Renato Ladeira, diretor artístico do festival, quem sugeriu os nomes dos músicos”, diz o autor de “Tudo Bem Meu Bem”, uma espécie de iê-iê-iê pós-moderno que nasceu de uma briga entre o autor e sua mulher, Maria Inês.

De seu apartamento em São Paulo, Soares elogia o júri que foi hostilizado em coro no último sábado, quando, entre vaias, o público gritava “é marmelada”. “Eles foram corajosos. Gostaram da música e não tiveram vergonha de gostar. Num banquete francês, o júri preferiu comer um hot-dog”.

A salsicha, no caso desse hot-dog, foi fabricada com referências pop das mais variadas, temperada com jovem guarda, Caetano Veloso e Wilson Pickett. “A música é um produto que remete a referências consagradas, pois minha intenção não é criar algo novo, mas um produto agradável”, explica Soares. O que não necessariamente pode se tornar vendável. É o que responderá João Araújo, diretor da gravadora Som Livre e também presidente do júri, que vai produzir o primeiro disco de Ricardo Soares.

Assim, Soares não vai mais trabalhar criando páginas na web ou programando computadores, sua atual ocupação. Na sala de estar de sua casa, o motivo: reluz o troféu de vencedor do festival, significando os R$ 400 mil de prêmio. O que vai fazer com o dinheiro? “Não tenho idéia. Quero trabalhar no disco, já tenho 15 músicas prontas para ele.” Quem diria.

Soares chegou a São Paulo há dez anos, diretamente de Sapucaia do Sul, no Rio Grande do Sul, com um tio. Tinha uma proposta de emprego na área de informática. Lá na cidade pequena tinha banda, tocava em bares, mas em São Paulo, quando tentou alguma coisa com música, não teve sucesso. Só computadores. Há cerca de um mês deixou o trabalho e se concentrou em “Tudo Bem Meu Bem”. “Queria só projeção, mas não acreditava que ganharia o festival”, conta.

Depois de ter sido avaliado por um júri de onze especialistas como melhor compositor que Luiz Tatit ou Walter Franco, Soares abre um sorriso: “Tá todo mundo querendo entender o que aconteceu e eu tô me divertindo”.

 

 

 Cinema
 Livros
 Música
 Televisão

Fique de olho

No Ibope
 Teatro
 Exposição

Horóscopo

ENQUETE
Você acha que Claudete Troiano passou Cátia Fonseca para trás na Record?
Sim
Não
FÓRUM
O que você acha de artistas que, apesar dos riscos, abusam das próteses de silicone?

EDIÇÕES
ANTERIORES

ESPECIAIS
MULTIMÍDIA
BATE PAPO
ASSINATURAS
EXPEDIENTE
PUBLICIDADE
FALE
CONOSCO
ASSINE A
NEWSLETTER


| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |
EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três