CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA

por Luciana Franca

Milton Nascimento

Milton Nascimento com Agostinho dos Santos, em 1967

A foto tirada em 23 de outubro de 1967 é histórica. Na verdade, um divisor de águas na carreira de Milton Nascimento. Nela, o cantor carioca é abraçado por Agostinho dos Santos na final do II Festival Internacional da Canção, no Rio. “Agostinho inscreveu à minha revelia três músicas no festival”, relembra.

Milton havia se decepcionado com seu desempenho num festival no ano anterior, o Berimbau de Ouro, e prometera a si mesmo jamais participar de outro concurso de música. “Agostinho queria tirar isso da minha cabeça e, um dia, chegou e disse que ia fazer um disco e precisava de três músicas para, junto com o produtor, escolher uma”, conta. “Gravei Morro Velho, Maria Minha Fé e Travessia, que, ao invés de colocá-las num disco, Agostinho inscreveu no festival escondido de mim.” O resultado: as três músicas foram classificadas, Maria Minha Fé na voz de Agostinho, e as outras duas com Milton. Travessia acabou ganhando o segundo lugar do festival e é até hoje a música mais popular do cantor. Milton Nascimento ainda levou outro prêmio, o de melhor intérprete do festival de 1967. “Ele é o responsável por tudo. Sem ensaiar, ele foi meu padrinho musical. Que ele esteja no lugar que merece”.

 



| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três