CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA

Televisão

Lindo e com carisma de bom moço
Sucesso entre as mulheres, Reynaldo Gianecchini multiplica seu cachê, diz que não se acha bonito e conta como é a convivência com Marília Gabriela

Rosângela Honor

Foto: André Durão
“Queria derrubar o Giane. Fiz o que pude, mas ele é bom”, brinca o diretor Ricardo Waddington

Mesmo assim, antes de ser aprovado, passou por três baterias de testes. Primeiro com os concorrentes, depois em cenas com Vera Fischer e, por último, com Carolina Dieckmann. “Minha intenção era derrubar o Giane, fiz o que pude para dificultar, mas ele é bom”, brinca o diretor. O ator conta que percebeu a preocupação de Waddington na época dos testes. “Ele deve ter chamado o Maneco de louco”, imagina Gianecchini, ao lembrar que o autor Manoel Carlos foi o primeiro a lhe dar um voto de confiança ao ver seu teste de vídeo. Hoje, o diretor não tem dúvidas de que a carreira do estreante na tevê não será passageira. Vislumbra até possibilidades internacionais para o ator. Argumenta que Gianecchini fala inglês fluentemente e tem cara de bom moço. “Não é um entusiasmo gratuito, ele tem carisma”, arrisca Waddington. A beleza e o estilo de Giane provocam delírio feminino por onde ele passa. No MorumbiFashion, mesmo desfilando de camiseta e bermuda, ele causou o maior frisson da temporada. “Eu me senti mais despido do que se estivesse de sunga”, contou o ator, que se recusou a subir à passarela usando roupa de banho.

CACHÊ de R$ 25 mil Antes de estrear na televisão seu cachê para participar de um evento do porte do MorumbiFashion oscilava entre R$ 2 mil e R$ 2,5 mil. Com a novela, saltou para perto dos R$ 25 mil. Embora já tenha experimentado o sabor do sucesso como modelo, Gianecchini vem conhecendo também os dissabores da fama repentina. Desde a estréia da novela, sua vida pessoal vem sendo devassada. “Quero me preservar, não sou deslumbrado e não tenho vontade de ficar aparecendo”, diz.

Sua queixa principal é em torno de seu casamento com a jornalista Marília Gabriela. Os dois estão juntos desde julho de 1998, quando se conheceram em Paris, através de um amigo. “Eu tenho orgulho da mulher que tenho e sou apaixonado por ela”, derrete-se. “Marília está cada vez mais linda e estou me sentindo mais seguro, adulto”, completa. Gianecchini, 27 anos, e Marília, 52, se acostumaram com o espanto em torno da diferença de idade entre os dois e tiram de letra situações embaraçosas. Já perderam a conta do número de vezes em que foram parados na rua. “As pessoas elogiam o programa dela e dizem: “que filho lindo você tem”, diverte-se. “Nós damos muitas risadas porque não temos nenhum problema em relação a isso”, afirma. A mãe de Giane, dona Heloísa, 57, também não vê problemas. “Não acho que idade tem importância, quero que ele seja feliz”, afirma. “Adoro a Marília, a considero uma mulher muito inteligente”, elogia Roberta, 30 anos, irmã do ator.

O novo galã da Globo sempre foi um adolescente tímido. A engenheira Marilza Carmeloz, 27 anos, sua amiga de infância, conta que Gianecchini sempre foi ótimo aluno e ganhou viagens como prêmio no colégio. Era também o mais bonito e paquerado, principalmente no Colégio Stélio Machado Loureiro, onde os dois cursaram o 1.º grau. “Quando ele gostava de alguém ia atrás, mas não fazia o tipo namorador”, defende. Mas para os outros rapazes, Giane sempre foi um incômodo. “Sair com ele era uma roubada, as meninas queriam chamar a atenção dele”, diz o administrador de empresas Celso Fernando Ieiri, 29 anos, um dos seis colegas que morou com o ator numa república em São Paulo, durante o curso de Direito.


Celso conta que, na época, todos os rapazes eram escalados para cozinhar uma vez por semana. Como Gianecchini cozinhava mal, sempre era escolhido para os finais de semana. “Assim a gente conseguia escapar da sua comida”, brinca. “Mas ele era o mais tranqüilo dos sete. Estava sempre no quarto lendo ou ouvindo músicas.” Seu ponto fraco, diz o amigo de faculdade, só se revelava na hora de dormir. “Giane roncava demais. Até fazíamos revezamento porque ninguém queria dividir o quarto com ele”, conta Celso.

Mesmo que a beleza tenha sido sua marca registrada a vida inteira, Giane até hoje diz que não se acha bonito. “Nada é perfeito no meu corpo. Tenho narigão e sou meio magrinho. Mas gosto do conjunto e sou feliz por isso”, diz o ator. Para o estilo de bom moço, essa autodefinição cai bem. E garantindo que sua beleza interior também conta, ele tenta de novo: “Tenho uma onda interna, uma energia, um astral legal. Sou dado e carinhoso com as pessoas”. Se fosse um entrevistado da mulher, Marília Gabriela, em seu famoso bate-bola na tevê, e tivesse que escolher um único termo para se definir, o ator arriscaria: “Carisma talvez seja a palavra”.

<< Anterior

 

Leia Também

Chance ampliada

A dama de ferro de São Paulo

Lindo e com carisma de bom moço

A força brasileira no Grammy Latino

A dor de Hebe

O sonho de Jacaré

Mara Carvalho, fruto maduro

Um novo maníaco?

Omelete sem risco

Pelas mãos de Deus

Rosane Collor de corpo e alma

Família Senna encontra Victória

Um teatro no meio do caminho



| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três