CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA

Portuguesa

Antologia
Os portugueses do Madredeus falam de mar e saudade

Guga Stroeter

Dezessete canções, duas delas inéditas, compõem o CD Antologia, do grupo português Madredeus. Com esse lançamento podemos vislumbrar a trajetória meteórica de um trabalho musical tão belo quanto difícil de definir.

Nesses quinze anos de carreira, o Madredeus levou sua alquimia sonora peculiar a todos os continentes do globo e se tornou o mais relevante agente divulgador e transformador da música lusitana. Por conta disso, o grupo assumiu a identidade metafórica dos argonautas dos séculos 15 e 16, com a diferença que os descobridores atiravam-se aos mares em busca de ouro e especiarias, enquanto o Madredeus exporta as sutilezas da alma melancólica e meditativa. Foi-se a longa ditadura nacionalista de Salazar, e a juventude dos anos 70 e 80 responde aos novos tempos com uma visão universalista, fundamentada na riqueza de sua cultura. Na sonoridade leve do Madredeus temos ingredientes da música acústica e medieval convivendo com sintetizadores.

Percebemos o espírito e as melodias do fado, cantadas pelo timbre encantador e erudito de Tereza Salgueiro. E o oceano, sempre presente em sua vastidão, surge nos ritmos mântricos que se sucedem como ondas.

Ouvir o Madredeus é permitir-se viajar por sentimentos e paisagens, por mares, campos e saudades. Ah! A saudade... nessa pequena palavra encontramos o orgulho do vínculo mais profundo entre brasileiros e portugueses e constatamos que ambos temos saudade da saudade.


A alma lusitana

 

 Cinema
Bilheteria
Livros
Eu, Malika Oufkir, Prisioneira do Rei
Geneton Moraes Neto
Música
Televisão

Fique de olho

No Ibope
Teatro


| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três