CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK 
 BUSCA
 ASSINE O BOLETIM
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ASSINATURAS
 FALE CONOSCO
 EXPEDIENTE
 PUBLICIDADE

 

Televisão

Pantaneira vira Gostosona
Dez anos depois de brilhar como a sensual Guta, em Pantanal, Luciene Adami vai mostrar seu humor

Marcelo Zanini

Piti Reali
Luciene na pele da personagem: caricatura sensual

Desde 1990, quando fez a sensual Guta da novela Pantanal, da extinta Rede Manchete, a atriz Luciene Adami não tinha uma chance tão boa. Em julho, data prevista de estréia de Sãos e Salvos, ela estará na série juvenil da Rede Cultura como Gostosona, personagem que seria uma caricatura da mulher sensual, que se acha linda. Será a chance de mostrar humor. Com peruca vermelha e enchimentos pelo corpo, ela fará par com o salva-vidas Salva, interpretado pelo animador Bola Sete.

Aos 36 anos, com 19 de profissão, a atriz conta que foi na TV Cultura que iniciou, em 1988, sua carreira. Era apresentadora do programa Revistinha. Anos antes, tinha feito teste na Rede Globo. Passou, mas nunca estreou. Foi substituída por causa do sotaque. Mais tarde, acabou trabalhando no SBT, Record, Manchete, Cultura, Bandeirantes e, inclusive, na própria Globo, onde participou de uns poucos capítulos da novela Malhação. No momento, ela está negociando de novo com a emissora.

Com 1,70 metro de altura e 56 quilos, a atriz chegou a se achar perfeita. Mas depois de sofrer um grave acidente de carro, em 1993, na Bahia, que a obrigou a fazer oito cirurgias e a afastou do trabalho por um ano, mudou. “Quando você entra numa cilada dessas, acha que nunca mais vai voltar a sua vida de antes”, afirma, exibindo cicatrizes no braço e na testa, disfarçada pelo cabelo. Na infância, ela era proibida pelo pai de assistir novelas. “Ele as considerava indecentes”, diz. Por isso, na época do vestibular para artes cênicas, Luciene disse aos pais que faria psicologia. Anos mais tarde, seu pai acabou tornando-se telespectador e fã. Foi ele que negociou seu cachê para posar nua, em 1991. “Quem diria, aquele pai que me proibia de ver televisão, passou a ver a filha pelada na hora do jantar”, brinca.

© Copyright 1996/2000 Editora Três