Reportagens  
Luize namora há um ano o empresário de Curitiba Fredy Galiotto
“Ela é autêntica, tem tatuagens, gosta de fazer ensaios sensuais, surfar e apresentar”, diz Elisabetta Zenatti, diretora de programação e artística da Band
• • •
Ensaio
A nova praia de Luize Altenhofen

A apresentadora deixou o Sportv para comandar o Band Esporte Clube, passou a ler jornais esportivos para entender de futebol e diz que a mudança de emissora torna mais distante o projeto de ser mãe
texto Diógenes Campanha
fotos edu lopes
 Envie esta matéria para um amigo
Para o novo trabalho, ela precisou assinar o jornal esportivo Lance!, para ficar por dentro das novidades do futebol
Ela já fez bungee jump saltando de um balão em movimento e surfou ondas gigantes no Havaí. Mas é nos estúdios da Rede Bandeirantes, em São Paulo, que Luize Altenhofen está encarando seu maior desafio. Depois de seis anos no Sportv, ela deixou o canal para comandar a revista esportiva Band Esporte Clube. Usando o jargão dos jogadores de futebol, ela acredita que o projeto “veio para somar” à sua carreira – iniciada como modelo, uma década atrás – e se mostra confiante com a mudança. “Essa oportunidade representa o crescimento profissional de alguém que tem potencial e que está demonstrando isso”, diz Luize.

A loura gaúcha, de 27 anos, já havia tido duas breves experiências na tevê aberta em 2000, quando foi repórter do quadro “Calor”, no Domingão do Faustão, e foi assistente de palco de Milton Neves no extinto programa Supertécnico, que ele comandava na Band. Na atração esportiva, ficou marcada por uma gafe: certa vez, ela se confundiu no ar e chamou o apresentador de “Mário Neves”. “Ele brinca com essa história até hoje”, conta Luize. “O programa era ao vivo e eu estava bem no início da minha carreira, mas isso não acontece hoje. E olha que a cobrança agora é bem maior.” A maior responsabilidade é proporcional à expectativa da emissora. “Ela é um investimento da casa. Vai crescer como apresentadora e nós cresceremos junto com ela”, diz Elisabetta Zenatti, diretora de programação e artística da Band, que, inicialmente, sondou Luize para comandar uma atração de entretenimento.

“Não tem como ter filho fazendo programa ao vivo todo dia. Quando tiver, quero ser uma mãe presente, como minha mãe foi comigo”, diz ela
Com a volta do futebol à grade do canal, ela foi chamada para apresentar o Clube, mas a idéia de aproveitá-la em outras áreas continua nos planos da Band. “Quando estiver pronta para dar o próximo passo, nós a chamaremos para conversar”, promete Elisabetta, que enumera as qualidades que fazem de Luize, em suas palavras, “um blockbuster entre os jovens”, público alvo do programa: “Ela é autêntica, tem tatuagens, gosta de fazer ensaios sensuais, surfar e apresentar”.

Mais que uma paixão, o surfe é um dos vários esportes que Luize já praticou. E foi sobre uma prancha que ela passou o momento de maior adrenalina de sua vida. No verão de 2005, Luize foi a Police Beach, no Havaí, gravar uma matéria sobre tow in, uma modalidade de surfe em ondas gigantes, na qual os surfistas são rebocados por jet-skis. Com a força da água, o rapaz que a rebocava caiu do jet-ski e Luize teve que abandonar sua prancha. “Fiquei no meio daquela massa de água gigante, com as ondas se aproximando. A sorte é que estava de colete e que fui resgatada rapidamente”, conta. Mais tarde, ela descobriu que aquela região também era famosa pelo alto número de ataques de tubarões. “Fui ao museu do surfe e havia uma prancha com uma dentada enorme, com uma placa dizendo que o ataque havia sido em Police Beach”, diz.

Perto dessa experiência, a rotina adotada por Luize com a mudança para a Band é bem mais tranqüila. Para apresentar o Clube diariamente, ela transferiu a faculdade de Jornalismo para o período diurno e passou a acordar às 6h30, para freqüentar as aulas do terceiro ano do curso. Também precisou assinar o jornal esportivo Lance!, para ficar por dentro das novidades do futebol. Embora continue fazendo trabalhos esporádicos como modelo, o novo projeto lhe trouxe a certeza de que ela quer trabalhar com jornalismo e esporte para o resto da vida.

E faz com que deixe em suspenso o desejo de ser mãe: “Penso em casar, ter filhos, construir uma família, como todo canceriano (ela é do dia 6 de julho), mas não agora”, diz Luize, que namora há um ano o empresário de Curitiba Fredy Galiotto. “Não tem como ter filho fazendo programa ao vivo todo dia. Quando tiver, quero ser uma mãe presente, como minha mãe foi comigo.” Filha de um casal de professores de Educação Física, com quem chegou a ter aulas em um colégio de freiras de Cruz Alta (RS), sua cidade natal, Luize sabe como essa presença é decisiva. Afinal, foi graças à influência dos pais que ela descobriu o gosto pelo esporte, paixão que a acompanharia por toda a vida e seria decisiva em sua carreira.

Cabelo e Maquiagem: Adilson Vital (BLZ). Produção: Maércio Cruz. Agradecimentos: Mulher Elástica, Pasmem.